Fispal Tecnologia – Feira gera negócios de R$ 4,8 bilhões –

Química e Derivados: Fispal: Lisandra - é preciso adequar elos do frio. ©QD Foto - Cuca Jorge
Lisandra – é preciso adequar elos do frio.

O caso de sorvetes com aspecto arenoso, segundo Lisandra, é um exemplo típico de falha em alguma etapa do processo. O objetivo da apresentação da Abrava fica ainda mais claro quando se atenta para o fato de que 60% das indústrias de alimentos e bebidas do Brasil não dispõem de nenhum controle sobre o que produzem, de acordo com Henri Stauffenegger, diretor do grupo Vidy.

O estande da Abrava foi divido em nove setores representativos da cadeia do frio (produção, resfriamento/congelamento, estocagem frigorificada industrial, transporte frigorificado, estocagem frigorificada comercial, varejo, consumidor final do setor de alimentação e consumidor final residencial), em que figuravam equipamentos e processos utilizados nas atividades reais, complementados por um setor retratando os sistemas de controle e supervisão.

Originária da Pensilvânia, nos Estados Unidos, a York, há mais de 30 anos no Brasil, destacou duas novidades em sua participação na Fispal 2004. A empresa expôs um compressor parafuso para amônia fabricado no País. Segundo o gerente de vendas da divisão de refrigeração industrial Altair Elísio e Silva, “anteriormente todo o bloco era importado e agora somente os dois fusos são importados”, disse. A redução de custo decorrente dessa nacionalização ronda por volta de 20%, e foi possível devido ao incremento da demanda dos setores que mais utilizam a máquina – o de congelamento de aves e alguns segmentos de processos químicos, segundo Silva – já que o principal entrave para a nacionalização do compressor era o volume de vendas.

Química e Derivados: Fispal: Compressor da York. ©QD Foto - Cuca Jorge
Compressor da York.

O equipamento pode utilizar, além de amônia, refrigerantes halogenados, possui reduzido número de conexões e tubulações, e dispensa bomba de pré-lubrificação.

A York também expôs um chiller a placas com compressor alternativo, utilizado para o resfriamento de água ou de fluidos intermediários, como o propilenoglicol.

Como utiliza trocadores de placas, o equipamento pode ser utilizado no resfriamento direto de produtos alimentícios, como leite, cerveja e alguns fluidos corrosivos.

“Uma das vantagens dessa máquina é o sistema de resfriamento de cabeçote totalmente externo, que permite a limpeza durante o funcionamento da máquina. Isso não é possível em equipamentos similares”, afirmou Silva. Outras diferenças ficam por conta do sistema de bombeamento de óleo e filtros de óleo, que são igualmente externos e facilitam sua manutenção.

Química e Derivados: Fispal: Silva - demanda por máquina viabilizou produção no País. ©QD Foto - Cuca Jorge
Silva – demanda por máquina viabilizou produção no País.

O chiller também era importado, mas agora é produzido no Brasil, incluindo os sistemas elétricos e eletrônicos que integram o conjunto.

Sopro com PP – A Sidel, da França, é uma das principais fabricantes de sistemas para acondicionamento de líquidos alimentares em PET, mas, apesar das mais de 450 máquinas para PET instaladas na América do Sul, apostou na divulgação de garrafas sopradas de polipropileno.

A empresa destacou a linha de máquinas SBO 8 série 2+, com capacidade de 0,25 l a 0,3 l, em cadência de 12.800 garrafas/hora, porém sob uma ótica nova, já que a família consta do portfólio da Sidel há algum tempo.

Química e Derivados: Fispal: A SBO 2, da Sidel, produz até 12.800 garrafas h. ©QD Foto - Cuca Jorge
A SBO 2, da Sidel, produz até 12.800 garrafas h.

Originariamente desenvolvida para o sopro de pré-formas de PET, as máquinas da família 2+ podem ser adaptadas para o sopro de pré-formas de polipropileno, segundo a coordenadora de marketing para a América do Sul Marta Ferreira.

A novidade se beneficia de parceria com a Milliken Chemical, criadora do agente clarificante para polipropileno Millad 3988, que possibilita a produção de garrafas com transparência semelhante à das garrafas de PET.

O PP é mais barato que o PET, mas a aparência apenas translúcida das garrafas confeccionadas com a poliolefina não favoreciam sua utilização.

Não que a Sidel acredite que o PET será deslocado pelo PP, já que interessa à própria empresa manter o mercado em que tem forte atuação. “Mas queremos mostrar que essa possibilidade existe com a máquina da Sidel, que pode operar com uma ou outra resina, com o adicional de que a garrafa de PP é muito semelhante à de PET”, afirmou Marta. Além disso, reforça a coordenadora, é possível moldar garrafas de PP com os mesmo designs utilizados para o PET, com uma vantagem adicional: a garrafa de PP pode ser soprada a quente, ao passo que o PET deve necessariamente ser resfriado.

Química e Derivados: Fispal: Sopradora de pré -formas pode operar com PET e PP, diz Marta. ©QD Foto - Cuca Jorge
Sopradora de pré -formas pode operar com PET e PP, diz Marta.

“Mesmo no Brasil já há muitas garrafas de PP, mas elas não possuem boa aparência, e são feitas por extrusão-sopro. A máquina da Sidel opera por injeção-sopro, e existe uma diferença de qualidade entre esses processos”, pondera Marta.

A Sidel também aproveitou a ocasião da feira para anunciar o início da produção de enchedoras na fábrica de São Paulo. Antes importadas da Itália, as máquinas eram de difícil comercialização, mas a empresa pretende reforçar sua presença no segmento de enchimento, em que não desfruta do mesmo status exibido em sopro. “Esperamos movimentar esse mercado”, atesta Marta. A Sidel, inclusive, já vendeu a primeira enchedora para uma linha de produção de 10.000 garrafas/hora.

Dosagem contínua – Outra européia, a alemã Schenck, com filial instalada em Jurubatuba-SP, destacou sua tradicional linha de balanças dosadoras de correia. De acordo com o supervisor de vendas Luiz Marino, os equipamentos são destinados à dosagem gravimétrica contínua de materiais a granel, e apresentam vantagens em relação aos dosadores de roscas, que podem danificar o material dosado, ou serem inadequados quando o material dosado é muito abrasivo.

O equipamento é dotado de sistema automático de tensionamento e alinhamento da correia, e incorpora um sistema para anular um dos principais problemas que influenciam a precisão de balanças dosadoras desse tipo: a influência da própria correia.

Página anterior 1 2 3 4Próxima página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios