Domissanitários e Limpeza

15 de dezembro de 2011

Tripolifosfato de Sódio – STPP não é a principal causa de algas

Mais artigos por »
Publicado por: Gerson Trajano
+(reset)-
Compartilhe esta página

    algas

    R

    elatório final do grupo de monitoramento de fósforo em detergente em pó, formado pela Resolução 359/05 do Conselho Nacional de Meio Ambiente, concluído em 2010, atesta que o STPP (tripolifosfato de sódio) não é a principal fonte causadora da eutrofização – crescimento acelerado de algas –, causada pela abundância de nutrientes nas águas.

    “Os dados disponíveis pelas redes de monitoramento avaliadas por este grupo não permitiram isolar o fósforo proveniente dos detergentes em pó de suas demais fontes (dejetos humanos e carga difusa)”, afirma o relatório que é assinado pelo Ministério do Meio Ambiente, Abipla, Ibama e Sabesp, entre outros órgãos de fiscalização e regulamentação.

    “Os dados disponíveis pelas redes de monitoramento avaliadas por este grupo não permitiram isolar o fósforo proveniente dos detergentes em pó de suas demais fontes (dejetos humanos e carga difusa)”, afirma o relatório que é assinado pelo Ministério do Meio Ambiente, Abipla, Ibama e Sabesp, entre outros órgãos de fiscalização e regulamentação.

    O grupo constatou a dificuldade de se avaliar o ganho ambiental apenas com os indicadores escolhidos, visto que existem outras variáveis tais como o crescimento vegetativo, nível de tratamento de esgotos, pluviometria e a alteração do perfil de consumo quantitativo e qualitativo (diversos produtos com teores distintos de fósforo), decorrente das alterações do nível socioeconômico da população e na conjuntura econômica do país, que também interferem no comportamento do fósforo nos corpos hídricos.

    A mesma dificuldade foi constatada no trabalho de revisão realizado nos Estados Unidos pelo USGS (United States Geological Survey), com sede em Reston, Virginia. Contudo, muitos estados norte-americanos aboliram o uso do STPP na formulação do detergente em pó.

    O início das discussões sobre a contribuição do fósforo adicionado à formula do detergente em pó data de 2001. Na época, estudos da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) apontavam o percentual de 86% de não conformidades em corpos d’água monitorados pela companhia.

    Confira uma matéria completa sobre Detergentes em pó



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next