Tecnologia Ambiental

16 de maio de 2009

Tratamento de Água – Capitalizada, Perenne entra nos EPCs

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Furtado
+(reset)-
Compartilhe esta página

    P

    restes a completar a maioridade em junho, quando comemora 18 anos de fundação, a Perenne, empresa brasileira do mercado de tratamento de água, está com fôlego redobrado para cumprir uma meta ambiciosa de crescimento. Depois que se associou em 2008 a dois grupos investidores de peso – o fundo Rio Bravo, administrado pelo ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco, e a Aquapura Ambiental, empresa do grupo Pão de Açúcar –, a empresa paulista deu início a uma estratégia de ampliação de ofertas que já vem dando resultados visíveis.

    Com o aporte de capital dos dois sócios estreantes, cada um deles com 15% de participação na nova sociedade anônima, e o controle majoritário ainda nas mãos do fundador, Nelson Guanaes, a Perenne conseguiu materializar uma série de planos antigos que fizeram o grupo entrar em novos mercados de importância, como petroquímica e papel e celulose, ampliar sua carteira de clientes, o número de funcionários e logicamente seu faturamento. Uma diretoria profissionalizada subordinada a um conselho administrativo, 200 funcionários (contra 20, de 2004) e o envolvimento com a inovação e a pesquisa local dão base à estratégia.

    A primeira grande mudança da empresa é o deslocamento no mercado de sua imagem até então ligada apenas aos seus fornecimentos de sistemas de osmose reversa para estações de dessalinização de água salobra de poço no nordeste do país. Apesar de este ainda ser um nicho muito aproveitado pela Perenne, que estima ter instalado mais de mil unidades em fornecimentos para projetos públicos, a nova estratégia a transformou numa fornecedora de EPCs (engineering, procurement and construction), contratos de fornecimentos completos, desde o projeto básico das estações até o comissionamento ou a operação das unidades.

    Com o novo ímpeto, os fornecimentos de grande porte se iniciaram em empresas como Petrobras, VCP, Bahia Pulp e M&G Polímeros, em obras bastante complexas. Na estatal do petróleo, por exemplo, a Perenne ganhou concorrência para fornecer sistema de secagem de lodo e borra oleosa para a Revap, de São José dos Campos-SP, utilizando tecnologia das empresas de origem italiana Pieralisi e Vomm. Além disso, reformou estação de osmose reversa de 100 m3/h na Recap, de Capuava-SP, onde passou a ser responsável pela operação em uma das ETAs da refinaria. Ainda para a Petrobras, recentemente também fechou negócio para fornecer uma ETA com sistema de flotação por ar dissolvido (DAF) no terminal portuário Regalp, no Espírito Santo.

    Em papel e celulose, outro novo foco da Perenne, os resultados são ainda mais interessantes. Na Bahia Pulp, em Camaçari-BA, projetou e instalou uma das maiores estações de osmose reversa do país, com vazão de 640 m3/h e que alimentará caldeira de alta pressão. O sistema inclui ainda o pré-tratamento, o polimento de condensado, um sistema de neutralização dos efluentes e a operação assistida na planta, por um período acordado com o cliente. Outro fornecimento nesse setor foi na Votorantim Celulose e Papel (VCP), em Três Lagoas-MS, uma estação completa que inclui skid de osmose reversa para 450 m3/h.

    Química e Derivados, José Renato Santiago, Diretor de desenvolvimento de novos negócios da Perenne, Tratamento de Água

    José Renato Santiago: novos sócios apoiam a disputa por grandes contratos

    De acordo com o diretor de inovação e relações internacionais da Perenne, José Roberto Santos, a abrangência das novas ofertas é reforçada por um serviço gratuito de acompanhamento das obras vendidas. “Semanalmente recebemos via e-mail dados operacionais de mais de 40 sistemas de nossos clientes e assim participamos das tomadas de decisões técnicas para garantir uma operação com o mínimo de erros possível”, explicou Santos. Além disso, a Perenne pode incluir nos contratos o fornecimento de todos os produtos consumíveis para a operação.

    Com o novo capital dos sócios investidores, e as consequentes garantias que podem apoiar grandes contratos, a Perenne também está apta a oferecer contratos de BOT voltados para implantação, ampliação ou readequação de ETAs e ETEs para produção de água de processo industrial, de água potável ou de reúso. Segundo o diretor de desenvolvimento de novos negócios, José Renato Santiago, já há um desses contratos na Mossi & Ghisolfi em Poços de Caldas-MG, com validade até 2013, e a probabilidade de aumentarem os casos é alta. “A nossa nova sociedade facilita em muito as operações financeiras”, disse Santiago.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next