Tintas e Revestimentos

3 de setembro de 2004

Tintas: Feitintas prepara setor para onda de investimentos

Mais artigos por »
Publicado por: Rose de Moraes
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Setor vai injetar US$ 300 milhões na área produtiva e conta com novos equipamentos insumos químicos e tecnologias para aumentar eficiência e qualidade

    Química e Derivados: Feitintas: feitintas_abre. ©QDA indústria de tintas tem planos para injetar recursos escalonados na produção, modernizar instalações e adquirir novos equipamentos, somando investimentos de US$ 300 milhões até 2008. Em sintonia com as metas setoriais, fornecedores ampliaram a gama de produtos e aumentaram a oferta de insumos para o mercado nacional. Essas e tantas outras iniciativas foram conferidas durante a 4ª Feira da Indústria de Tintas, Vernizes e Produtos Correlatos. Realizada pelo Sitivesp – Sindicato da Indústria de Tintas e Vernizes do Estado de São Paulo, de 15 a 18 de setembro, no Centro de Exposições Imigrantes, na capital paulista, a feira integrou distribuidores, fabricantes e usuários.

    Química e Derivados: Feitintas: Oleiro - linha de produtos cresce com novos pigmentos orgânicos. ©QD Foto - Cuca Jorge

    Oleiro – linha de produtos cresce com novos pigmentos orgânicos.

    Confiante no crescimento das vendas, com o incremento das exportações de automóveis e maiores demandas de tintas para madeiras e impressão, a Ipiranga Química ampliou sua base de soluções e apresentou novos itens para o segmento de tintas de cura por ultravioleta (UV), oferecendo também novas opções em pigmentos orgânicos.

    Na linha de fotoiniciadores para tintas UV, o portfólio de produtos se complementou com formulações líquidas fabricadas pela Chitec, de Taiwan, destinadas a facilitar o manuseio e aumentar a produtividade nas indústrias.

    “Os novos fotoiniciadores líquidos agilizam a cura das tintas e atuam como aceleradores da polimerização das resinas, principalmente as epóxi-acriladas, oferecendo grandes avanços para as tintas direcionadas às indústrias moveleiras e tintas para impressão”, afirmou Vanio Oleiro, gerente da unidade de negócios tintas e adesivos da Ipiranga Química.

    Na área de pigmentos, a principal novidade foi conferida nas formulações orgânicas, fabricadas de acordo com as novas tendências mundiais preservacionistas. “Nossa oferta inicial de pigmentos será feita nas tonalidades violeta, amarelo, rubi e ftalocianinas, envolvendo azuis e verdes, mas a linha abrange mais de 150 diferentes itens e será ampliada de acordo com as necessidades do mercado brasileiro”, acrescentou ele.

    No segmento de solventes, as formulações especiais produzidas pela refinaria Ipiranga também se destacaram. Tratam-se dos solventes alifáticos com baixo teor de aromáticos (menos de 1%), com crescentes aplicações nos segmentos de tintas imobiliárias e industriais.

    Química e Derivados: Feitintas: Haske - emulsões ajudam a reduzir o consumo de dióxido de titânio. ©QD Foto - Cuca Jorge

    Haske – emulsões ajudam a reduzir o consumo de dióxido de titânio.

    Alternativas aos monômeros – As novidades apresentadas nesta edição da Feitintas também consideraram as atuais dificuldades na obtenção de monômeros acrílicos e de estireno, atribuídas ao aquecimento do mercado asiático, em especial as compras do emergente mercado chinês. Preocupados com a continuidade de oferta nesses segmentos alguns fornecedores apresentaram novas soluções. Esse foi o caso da Makeni Chemicals, de Diadema–SP, tradicional fornecedora de solventes e única distribuidora credenciada da Basf no segmento de emulsões acrílicas, que apresentou ao público matérias-primas alternativas nacionais e de origem asiática.

    Destacaram-se no estande as emulsões de estireno-butadieno da Basf, destinadas a incrementar a produção de tintas decorativas. Essas emulsões representam alternativa ao uso das estireno-acrílicas até então processadas pelos polimerizadores. Originárias da Coréia, também oferece emulsões copolímeras estireno-acrílicas.

    Consideradas substitutas parciais dos pigmentos de dióxido de titânio, outro segmento onde a demanda tem superado a oferta, essas emulsões conferem às tintas poder adicional de cobertura, proporcionando melhor rendimento e reduções no volume de ligantes nos polímeros de adesão.

    “A depender da formulação, o emprego dessas emulsões propicia reduções até de 20% na quantidade de dióxido de titânio”, informou Klauss Haske, gerente da Makeni. “Suas propriedades devem-se ao fato de que as partículas não coalescem, proporcionando, após a secagem do filme da tinta, um sistema de microesferas poliméricas ocas e rígidas, dotadas de excelentes propriedades reflexivas”, explicou.

    Aplicadas em formulações de tintas de primeira linha, com baixo PVC (Pigment Volume Concentration), essas emulsões melhoram a dispersão e o rendimento do pigmento, reduzindo custos, e podem ainda ser utilizadas no segmento de tintas econômicas.

    “Também podem ser aplicadas em formulações visando substituir o caulim por carbonato de cálcio precipitado, oferecendo a vantagem de reduzir as quantidades de ligantes e pigmentos”, complementou Haske. Outros acréscimos à linha da empresa foram observados nas linhas de monômeros de acrilato de butila, acrilato de etila, acrilato de 2-etil hexila e ácido metacrílico, utilizados na produção de resinas.

    A importadora e distribuidora Grupar, de São Paulo–SP, também ampliou a variedade de oferta ao mercado brasileiro, incluindo entre os seus itens monômeros e oligômeros fabricados pela Miwon, da Coréia, somados a dispersantes, agentes de nivelamento e umectantes para tintas à base d’água, fabricados pela Silcona, da Alemanha, e a estabilizantes de processo, inibidores de polimerização e aceleradores de reação, da Albermarle Corp., dos Estados Unidos.

    “Além de mantermos estoques locais, oferecemos aos usuários a possibilidade de importação direta”, afirmou Sérgio Medeiros, gerente da Grupar. Dentro da oferta atual também se destacaram promotores de adesão, silicones acrilados, monômeros e oligômeros para tintas UV, fabricados na Suíça pela Rahn, além de resinas poliéster para sistemas híbridos, fabricadas pela Cray Valley, da Espanha.


    Página 1 de 512345

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *