Química

14 de novembro de 2008

Tintas – Fabricantes ignoram instrumentos para medição de cor

Mais artigos por »
Publicado por: Domingos Zaparolli
+(reset)-
Compartilhe esta página


    F

    erramenta importante para o controle de qualidade e para a maior eficiência na formulação de novas tintas, o espectrofotômetro, instrumento usado para a medição da cor, ainda não conquistou seu devido espaço no mercado brasileiro de tintas. Como relatam especialistas e fornecedores desses equipamentos, muitos pequenos e médios fabricantes de tintas e varejistas não se encontram adequadamente aparelhados. Mesmo entre as empresas equipadas, os espectrofotômetros são subutilizados ou até mesmo solenemente deixados de lado. E esse é um fenômeno que afeta tanto empresas de pequeno porte como algumas das maiores do setor. “Há uma ignorância muito grande nas empresas sobre os benefícios dos espectrofotômetros, aliada a uma falta de capacitação para o uso adequado do equipamento”, constata Pedro Gargalaca Filho, diretor da Coralis, representante dos equipamentos norte-americanos X-Rite no Brasil. Segundo avalia Luiz Fatarelli,

    Química e Derivados, Luiz Fatarelli, diretor da Colorz, Tintas - Fabricantes ignoram instrumentos para medição de cor

    Luiz Fatarelli: empresas brasileiras nao investem em tecnologia

    diretor da Colorz, representante da também norte-americana Datacolor, a situação é reflexo do baixo investimento das empresas brasileiras em tecnologia. O grau de uso dos equipamentos, portanto, varia de acordo com a sofi sticação do mercado onde o fabricante de tintas está inserido. Para Sérgio Marigonda, diretor da Mast, representante dos equipamentos BYK, dos EUA, entre os fabricantes de tintas automotivas, a adequação tecnológica em medição de cor “é quase uma regra, pois as montadoras são clientes exigentes, que discutem pequenas variações na cor ou no efeito que ela possa vir a ter”, afirma.

    Química e Derivados, Sérgio Marigonda, diretor da Mast, representante dos equipamentos BYK dos EUA, Tintas - Fabricantes ignoram instrumentos para medição de cor

    Sérgio Marigonda: montadoras adotaram espectrofotometria como regra

    Entre os fabricantes de tintas imobiliárias, informa o executivo, a instrumentação não é tão avançada. Mas Marigonda é otimista. “A adequação vem crescendo gradativamente. Sentimos que o Programa Setorial da Qualidade para Tintas Imobiliárias da Abrafati serve para nortear tal adequação, criando uma conscientização dos fabricantes de tintas que se estende até as revendas e em breve chegará ao consumidor por meio de padrões de qualidade comuns a todos os fabricantes participantes do programa. O selo do PSQ na embalagem atestará ao consumidor que aquele produto passou por rigorosos testes, inclusive o colorimétrico”, diz o executivo.

    Uma tendência é o uso de espectrofotômetros no varejo. Pedro Gargalaca, da Coralis, relata que já supera a casa de 500 as lojas de tintas equipadas com espectrofotômetros no Brasil. “As lojas de tintas imobiliárias que oferecem cores personalizadas são as empresas que mais investem hoje nesses equipamentos”, diz o executivo. “Elas ganham agilidade no preparo da tinta, que pode ser realizada em minutos e com baixa probabilidade de erro. E ganham na satisfação do cliente, que pode levar na hora a tinta solicitada”, completa.

    Química e Derivados, Pedro Gargalaca, da Coralis, Tintas - Fabricantes ignoram instrumentos para medição de cor

    Pedro Gargalaca critica a falta de conhecimento do setor

     

    Já para Antonio Francisco, diretor da T&M Instruments, representante brasileiro da japonesa Konica Minolta, o uso dos espectrofotômetros no Brasil está avançando na indústria de tintas, principalmente nas aplicações voltadas para a verificação da qualidade da tinta, mas os equipamentos ainda são pouco empregados para a atividade de formulação. “Com isso, muitas empresas perdem a oportunidade de ganhar produtividade no desenvolvimento de novos produtos”, diz o executivo. Fatarelli, da Colorz, arrisca-se a dimensionar essa perda. “Um bom colorista, usando apenas da comparação visual, consegue desenvolver 80 a 100 cores por mês. Com o apoio de um equipamento, o número mais que dobra”, avalia o diretor.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next