Tintas e Revestimentos

15 de abril de 2017

Tintas e Revestimentos: Fornecedores de pigmentos de efeito se preparam para a volta dos tempos dourados de vendas

Mais artigos por »
Publicado por: Hamilton Almeida
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, Tintas e Revestimentos: Fornecedores de pigmentos de efeito se preparam para a volta dos tempos dourados de vendas

    Espalhados em vários segmentos da economia, os negócios com pigmentos de efeito experimentam, atualmente, diversas sensações: desde o aperto até uma certa expansão. A melhor notícia é que o futuro promete ser mais aprazível, embalado pelo crescimento de demanda e com novidades em termos de produtos.

    Química e Derivados, Labecca: fabricante local vende em reais e atende com mais agilidade

    Labecca: fabricante local vende em reais e atende com mais agilidade

    “Estamos vivendo um tempo de grandes dificuldades”, resume Antonio Labecca Filho, gerente comercial da Aldoro Indústria de Pós e Pigmentos Metálicos Ltda. Referindo-se a “uma forte retração de mercado”, ele afirma que, com exceção das tintas para repintura automotiva, “todas as outras linhas atendidas encolheram, sejam decorativas, industriais, protetivas, automotivas originais e plastic coating”. Apesar das adversidades, a cadeia do setor de tintas anseia que a história se repita com uma recuperação no segundo semestre deste ano.

    Harry Heise, CEO da Forscher Indústria e Comércio de Produtos Químicos Ltda., avalia que os pigmentos perolados têm um consumo mais estável, mas a tendência é registrar uma queda em volume ao redor de 20% este ano, em relação ao apurado no ano passado.

    Química e Derivados, Heise oferece ampla gama de efeitos, até os termocrômicos

    Heise oferece ampla gama de efeitos, até os termocrômicos

    Os pigmentos de efeito fluorescente têm um comportamento diretamente proporcional à moda. “Quando as cores fluorescentes entram nas propostas de cores, principalmente do ramo têxtil, observamos um crescimento muito rápido, mas de curta duração. O mesmo ocorre com os pigmentos termocrômicos e fotocrômicos. Normalmente, são utilizados em campanhas promocionais e têm um ciclo de consumo intermitente. Neste momento, os fotocrômicos estão em alta”, especialmente na área calçadista”, relata Heise.

    Em direção oposta, Thalita Cristina Estima de Jesus, gerente de vendas da Merck, declara que o mercado registra “crescimento sólido ano após ano por um simples motivo: os pigmentos de efeito sempre estão presentes nos cosméticos. Algumas vezes de forma mais discreta, como nos produtos matte, ou mostrando todo o seu esplendor com os metalizados, de acordo com a tendência de cada estação”.

    Na mesma linha, Cristine Lopes Camargo, gerente de vendas para as Américas do Sul e Central da Eckart Pigments, comenta que “a demanda por pigmentos de efeito tem sido crescente no Brasil, pois além de agregar valor aos produtos, o seu uso está mais diversificado, sendo utilizado em todo tipo de aplicação: tintas automotivas e industriais, tintas em pó e de impressão, plásticos, têxtil e outras”.

    Química e Derivados, Cristine: novidades com função anticorrosiva e condutiva

    Cristine: novidades com função anticorrosiva e condutiva

    Também na contramão da crise, a coordenadora de marketing técnico da Basf, Agnes Boniolo Muciacito, informa que “houve uma demanda importante no mercado brasileiro e sul-americano em 2016, tanto que, no segmento automotivo, a empresa tem aumentado a sua participação”. No ano passado, a multinacional alemã unificou o negócio global de pigmentos na marca Colors & Effects, reunindo um amplo portfólio de pigmentos orgânicos, inorgânicos, híbridos e de efeito.

    A empresa criou equipes que atendem exclusivamente cada área, em cinco indústrias-chave: tintas, plásticos, impressão, cosméticos e agricultura. “A prioridade é continuar sendo um fornecedor global confiável para os clientes, baseando-se em dois pontos fortes: expertise químico e um amplo portfólio de corantes e pigmentos de efeito de alta performance”, salienta Agnes.

    Marcos Raicher, diretor da Colornet Comércio Exterior Ltda., também tem uma visão positiva da realidade: há “um franco crescimento” seguindo a tendência de que “as cores sempre vêm acompanhadas de efeitos metálicos e perolados, que conferem uma estética moderna e diferenciada em todas as aplicações”.

    Química e Derivados, Agnes: Basf unificou suas atividades em pigmentos

    Agnes: Basf unificou suas atividades em pigmentos

    Projetando as atividades a médio e longo prazo, Labecca considera que a expectativa é favorável no Brasil. De qualquer maneira, ressalta que a Aldoro também tem “trabalhado forte no mercado externo, consolidando-se em alguns países e em pleno desenvolvimento em outros, o que fortalece a ideia de resultados positivos para o futuro”. A empresa exporta mais da metade do seu volume de produção.

    O executivo chama a atenção para o fato de que a Aldoro é a única produtora de pigmentos metálicos no país (está instalada em Rio Claro-SP) e a meta é consolidar cada vez mais a posição, “com muita atenção e trabalho no atendimento aos clientes, atualização de produtos e desenvolvimento de novas opções, sempre com a premissa de melhoria contínua de produtos e processos”.

    Heise calcula que, em 2017, haverá uma nova retração no consumo, embora menor do que em 2016: “A médio e longo prazo, a tendência é de crescimento de efeitos nos produtos ao consumidor. Com isso, a demanda por pigmentos será grande. A Forscher está preparada para atender essa demanda futura, mediante parcerias estratégicas e oferta de produtos de alta qualidade”, acrescenta.

    Química e Derivados, Thalita: cosméticos sustentam avanço constante das vendas

    Thalita: cosméticos sustentam avanço constante das vendas

    Na sua definição, a Forscher é um pequeno player no segmento de pigmentos de efeito. Mas, a participação é crescente ano após ano. “Em termos de valor, somos atualmente o quarto maior importador de pigmentos no Brasil. Os pigmentos de efeito já representam 32% do faturamento da empresa. Há 3 anos, era 23%. A meta para 2017 é atingir 35% do faturamento, chegando a 50% até 2020”, revela.

    Carlos Fernando de Abreu, CEO da Colormix Especialidades, espera que o mercado de tintas e vernizes volte a crescer este ano. Grande parte da demanda depende da recuperação dos mercados automotivo e industrial. Por outro lado, ele pondera que “a procura por diferenciação por parte dos clientes”, coloca a empresa em posição de destaque, “pois possui um excelente portfólio de efeitos, com suporte técnico da equipe local e representadas”. Além de ter importantes marcas globais de pigmentos, Colormix conta ainda com a sinergia da representação dos Aditivos BYK no Brasil.

    Agnes e Thalita também olham 2017 com otimismo. “A expectativa é que o mercado se recupere, possa gerar mais empregos retomando o crescimento das indústrias”, diz a executiva da Basf. “Com a melhora do cenário econômico do país, a previsão é de aquecimento do mercado cosmético e também dos pigmentos que tornam essa categoria tão brilhante, no sentido literal da palavra”, observa a representante da Merck.

    Raicher engrossa a fila da esperança: “2017 será o ano da recuperação. A nossa estratégia é prover o melhor serviço aos clientes, conquistar novos em novas regiões e promover efeitos diferenciados”.


    Página 1 de 41234

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *