Tintas e Revestimentos

7 de novembro de 2014

Tintas e revestimentos – Espessantes: Minerais registram novas opções

Mais artigos por »
Publicado por: Antonio C. Santomauro
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, Tintas e revestimentos - Espessantes: Minerais registram novas opções
    Minerais seguem sendo usados como agentes de reologia pela indústria brasileira de tintas, que hoje conta com opções relativamente novas dessa categoria. É o caso dos produtos da espanhola Tolsa, cujos espessantes, feitos à base de um mineral argiloso denominado sepiolita, há cerca de três anos são comercializados no mercado nacional pela Metachem.

    De acordo com Selena Mendonça, gerente de negócios da Metachem, esses produtos são aqui utilizados nos diversos gêneros de tintas imobiliárias e industriais, tanto base água quanto com solventes, e em produtos como massa corrida, textura e grafiatos. Apresentam não apenas custo menor do que outras opções, mas também características favoráveis tanto no desempenho reológico quanto na sustentabilidade: “Eles não sedimentam, e diminuem a presença de compostos orgânicos nas tintas, reduzindo o impacto ambiental da pintura”, exemplifica.

    Também há cerca de três anos a Adexim-Codexim começou a produzir no Brasil seus espessantes, antes importados, com base no mineral atapulgita (que segue sendo trazido da China). Presentes também em itens como texturas e massas, no segmento das tintas tais espessantes são mais comuns em produtos mais baratos, provenientes de empresas de menor porte, destaca Carlos Russo, diretor-técnico da Adexim-Codexim (cujos espessantes levam a marca Comgel).

    Mesmo grandes fabricantes, ele ressalta, utilizam a atapulgita também em tintas de padrão mais elevado, nesse caso combinada com outros espessantes, para, entre outras coisas, evitar a sinérese. “Esses fabricantes maiores utilizam versões mais nobres de nosso produto, como aqueles com partículas micronizadas”, destaca Russo.

    Com parte relevante de seus negócios realizada com empresas de menor porte, a Adexim-Comexim, neste complicado ano de 2014, deve registrar um incremento de faturamento de aproximadamente 15% (relativamente a 2013).”Após iniciarmos a fabricação local, passamos a exportar para países como Colômbia, Chile, Paraguai e Uruguai”, ressalta.

    Já a Metachem, projeta Selena, comparativamente a 2013, deve registrar um incremento de aproximadamente 50% nos negócios com os produtos da Tolsa. “Como a empresa começou a trabalhar com esses espessantes à base sepiolita há poucos anos, para nós esse mercado está em expansão, e deve seguir assim nos próximos anos”, afirma.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *