Química

6 de fevereiro de 2013

Tintas e Revestimentos – Como funciona a tinta intumescente

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Fairbanks
+(reset)-
Compartilhe esta página
    A

    combinação precisa de três componentes adicionados à tinta, com sua resina habitual, geralmente acrílica ou epóxi. Configura-se um sistema capaz de se expandir muitas vezes, mediante a formação de uma espuma densa, com superfície incombustível. Esse sistema depende de uma substância doadora de carbono, um doador de ácido e um agente de expansão. Respectivamente, os produtos mais usados são o pentaeritritol, o polifosfato de amônio e a melamina.

    Segundo a Perstorp, quando a temperatura superficial se aproxima de 200ºC, a resina da tinta começa a amolecer, favorecendo a ocorrência das reações químicas do sistema intumescente. Nessa temperatura, o doador de ácido se decompõe, liberando ácido polifosfórico que reage com o doador de carbono (o pentaeritritol ou um poliol específico) para formar um éster polifosfórico. Este se decompõe para formar uma espuma carbônica, incrementada pelos gases liberados pelo agente de expansão, podendo se expandir em até cem vezes em relação à camada inicial. O resultado final é uma barreira de carvão (cinzas do material queimado) firmemente aderida ao substrato ao qual oferece isolamento térmico.

    Química e Derivados, Sequência acompanha a formação da espuma que protege o substrato, Perstorp

    Sequência acompanha a formação da espuma que protege o substrato

    “A linha de produtos Charmor, de fontes de carbono para esses sistemas, deve ser combinada com doadores de ácido e agentes de expansão adequados”, informou Nataly Costa da Silva, gerente de desenvolvimento de mercado da Perstorp Química do Brasil. Os polióis da companhia são indicados para revestimentos e vedantes em formulações de látex (acrílico, acetato de vinila, estireno/butadieno), de base solvente, de secagem física (estireno acrilado, vinil tolueno acrilado), bem como para termoplásticos, termofixos reforçados com fibra de vidro e gel coat para compósitos.

    Segundo Nataly, ainda não há produção nacional de tintas intumescentes, mas alguns fabricantes demonstram forte interesse nesse campo. “Estamos desenvolvendo alguns negócios no país”, comentou. A linha Charmor oferece polióis específicos para aplicações para interiores e exteriores, com variações no número de hidroxilas, solubilidade em água e ponto de fusão. O tamanho das partículas de cada item é controlado e se reflete na qualidade da espuma formada.

    A Clariant tem papel de destaque na produção e no suprimento do principal doador de ácido em sistemas intumescentes, o polifosfato de amônio. “Todos os ingredientes do sistema precisam ter qualidade consistente e garantida, com lotes exatamente idênticos”, recomendou Antonio Carlos Ferracioli, coordenador de vendas da BU (unidade de negócios) Additives para a América Latina. Isso se justifica pelo fato de o resultado desejado depender muito das quantidades presentes e de suas características. “Cada sistema é formulado separadamente e ensaiado nas condições da aplicação, o balanceamento dos ingredientes é muito sensível e não se pode correr o risco de não funcionar.”

    A Clariant fabrica os produtos da linha Exolit de polifosfatos de amônio apenas na Alemanha, fornecendo-os para vários produtores de tintas no mundo. As tintas intumescentes geralmente usam o Exolit AP 422. Segundo Ferracioli, interessados em desenvolver uma formulação podem contar com apoio técnico da Clariant mediante acordo com cláusula de confidencialidade. “Não damos a fórmula pronta, mas nosso departamento técnico avalia as amostras das formulações mediante ensaios específicos, apontando eventuais desvios e correções, mas as decisões são sempre tomadas pelos clientes”, ressaltou. Ele estima em dois anos o tempo médio para desenvolver uma formulação de uma tinta intumescente. “Já temos alguns acordos em andamento aqui no Brasil, mas estão em fase inicial.”

    Zenobi e Silva declaram que gostariam de produzir no Brasil essas tintas, mas isso não se mostra factível pelo menos a curto prazo. “A norma UL exige o acompanhamento do processo produtivo dessas tintas, isso exigiria ter um fiscal deles por aqui”, mencionou Zenobi. Além disso, a demanda atual pode ser suprida por importações sem maiores dificuldades. “Se o mercado justificar, poderemos fazer essas tintas por aqui, não há uma barreira tecnológica insuperável”, comentou Silva.

    Leia a reportagem principal:

    Leia também:



    Compartilhe esta página







      3 Comentários


      1. ailton santos

        Preciso que me enviem mas informaçoes sobre a aplicaçao do chartek 07 e 08 e alguma coisa sobre tintas entumesentes….


      2. Por gentileza me enviem o valor da tinta intumescente, pois preciso mandar orçamento comercial para uma escola que possui 06 andares.


      3. Será que esta tinta faria uma porta de vidro temperado resistira 30 minutos de fogo???



      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next