Têxtil

26 de fevereiro de 2004

Têxtil: Economia instável atrasa projetos

Mais artigos por »
Publicado por: Jose P. Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Fabricantes nacionais de fibras químicas deixam planos ambiciosos de expansão nas gavetas à espera de melhores dias

    Química e Derivados: Têxtil: textil_abre. Transformar o Brasil de importador a exportador é o desafio dos fabricantes nacionais de fibras químicas voltadas à indústria de tecidos. A tarefa não é nada fácil, uma vez que atualmente cerca de 30% do total consumido por aqui vem do exterior. Não são poucos, no entanto, os projetos de empresas do setor destinados a elevar de maneira significativa a atual capacidade de produção do País. De acordo com a Associação Brasileira de Produtores de Fibras Artificiais e Sintéticas (Abrafas), a fabricação nacional de fibras químicas em 2002 ficou na casa das 366 mil toneladas, contra um consumo no mesmo período de 464 mil toneladas – números não muito diferentes dos estimados para 2003.

    Química e Derivados: Têxtil: textil_grafico01. O descompasso entre demanda e oferta poderia ser um pouco mais favorável, caso a indústria reduzisse seu índice de capacidade ociosa – hoje na casa dos 24%. O setor, no entanto, desde a abertura de mercado ocorrida na década de 90, sofre com a concorrência dos países asiáticos, que nos últimos anos se transformaram em grandes produtores mundiais de fibras químicas para tecidos – em especial a China. “As fibras chegam aqui a preços desleais”, reclama José Eduardo Cintra de Oliveira, diretor executivo da Abrafas.

    Entre os planos de expansão em estudo, o mais ambicioso é o da Ledervin, fabricante de fios e filamentos de poliéster. A empresa, que surgiu de uma fusão promovida pelas multinacionais Rhodia e Hoechst e que em 1999 foi adquirida pelo grupo nacional J. Serrano, estuda instalar, até 2007, duas fábricas de grande porte no Nordeste, com capacidade de produção, cada uma, de 180 mil toneladas anuais. Caso seja concretizado, a atual capacidade instalada das indústrias nacionais de fibras químicas vai se elevar em cerca de 75%. Outros planos, menos ambiciosos, também podem colaborar com o avanço da produção nacional.

    Para que os investimentos previstos se transformem em realidade, no entanto, os empresários querem se sentir seguros para aplicar os muitos milhões de dólares necessários. “Além de contar com moeda estável, financiamento a juros não abusivos e impostos compatíveis com os cobrados no exterior, itens imprescindíveis para a retomada dos investimentos, precisamos desenvolver uma política industrial consistente, que ajude o setor a ficar competitivo”, reclama Jörg Albrecht, presidente da Associação Brasileira de Produtores de Fibras Artificiais e Sintéticas (Abrafas) e da Polyenka, produtora de fios e filamentos tex­turizados de poliéster.

    Com coragem suficiente para esquecer as dificuldades resultantes do cenário econômico, a Invista (nome recém adotado pela DuPont Têxteis e Interiores) inaugurou em Paulínia (SP), em agosto de 2002, uma unidade industrial que aumentou em 50% sua capacidade de fabricação de fibras químicas. Os investimentos consumidos no projeto foram de US$ 200 milhões, valor que inclui ativos, marketing, desenvolvimento, novos produtos e treinamento.

    Projetos de expansão à parte, uma saída encontrada por alguns fabricantes nacionais para melhorar suas receitas tem sido a de se dedicar a nichos de mercado sofisticados. Vários investimentos nesse sentido são feitos constantemente. Isso explica o fato de, apesar de não conseguir atender a todo o mercado interno, o setor tenha exportado 33 mil toneladas de fibras químicas em 2002, número que deve crescer nos próximos anos.

    Química e Derivados: Têxtil: Albrecht - Polyenka tem projeto U$$ 15 milhões.

    Albrecht – Polyenka tem projeto U$$ 15 milhões.

    Contramão – O Brasil é um dos poucos países onde a indústria ainda utiliza mais fibras naturais do que químicas para a produção de tecidos. As naturais, quase a totalidade delas originárias do algodão, respondem por 60% do mercado interno, enquanto as químicas são responsáveis pelos 40% restantes. A divisão do mercado mundial apresenta proporção exatamente inversa: a produção de tecidos se utiliza de 60% de fibras químicas e 40% de naturais.

    Realidade brasileira à parte, a evolução do uso de fibras químicas é um fenômeno irreversível, tanto no País quanto no exterior. Basta lembrar que na década de 60, por aqui, elas detinham apenas 9% do mercado nacional – no exterior, na época, elas respondiam por 22% das fibras utilizadas pelo setor têxtil. A conquista de mercado verificada nas últimas décadas pode ser explicada pelos bilhões de dólares investidos em todo o mundo por grandes grupos multina­cionais do ramo químico para desenvolver fibras com características diferenciadas e a preços competitivos.

    Um grande marco tecnológico das empresas do setor foi o início da produção, em meados da década de 80, das microfibras, fios usados para a fabricação de filamentos têxteis cujo diâmetro é menor do que o de um cabelo. De acordo com a convenção adotada mundialmente pelo setor, para que seja considerado microfibra, um fio deve ter menos de 1 dtex – o dtex representa o peso em gramas de 10 mil metros de um fio. Para se ter uma idéia do que significou esse avanço, na década de 70, o fio químico mais fino contava com 167 dtex. Hoje são produzidos fios com 0,579 dtex. Em outras palavras, 10 mil metros de alguns fios produzidos hoje pesam apenas 0,579 grama.

    O avanço permitiu o surgimento de tecidos oriundos de fibras químicas muito mais leves e confortáveis do que os fabricados no passado. Mas o desenvolvimento não parou por aí. Outros benefícios foram alcançados e permitiram a produção de tecidos que não amassam, absorvem suor, eliminam odores e permitem a limpeza fácil de manchas, entre outras características. E as constantes pesquisas devem resultar em mais novidades nos próximos anos.


    Página 1 de 41234

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *