Tecnologia Ambiental

26 de julho de 2013

Tecnologia ambiental – Recuperação energética: Sistemas seguem padrão rigoroso de emissões

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Furtado
+(reset)-
Compartilhe esta página

    O

    grupo de empresas capazes de fornecer sistemas completos de waste-to-energy é seleto e o domínio da tecnologia, tanto das caldeiras empregadas na queima e na geração do vapor para alimentar as turbinas como no controle de emissões, foi construído ao longo de muitos anos de pesquisa aplicada. No rol de empresas, destacam-se grupos como as alemãs Fisia Babcock e Martin, a belga Keppel-Seghers, a dinamarquesa B&W Volund, a suíça Hitachi Zosen Inova, entre outras poucas.

    Química e Derivados, Esquema de "Waste-To-Energy"

    Esquema de “Waste-To-Energy”

    A Fisia Babcock, embora ainda não tenha fornecido para o mercado brasileiro, é representada com exclusividade no país desde 2010 pela integradora de sistemas para água, ar e efluentes Enfil, de São Paulo. Com mais de 1.200 referências no mundo, em tratamento térmico de resíduos e limpeza de gases de combustão, a empresa alemã cedeu a licença tecnológica para a Enfil, que, havendo o primeiro contrato, tem condições de montar o sistema completo com a grelha móvel, da caldeira e de parte do controle de gases fornecidos especialmente pela Fisia. Por ter know-how tradicional de engenharia de controle de poluição atmosférica, a Enfil é capaz de trabalhar de forma bastante sinérgica com os alemães, segundo revelou seu gerente de novas tecnologias, Renato Greco.

    O processo da Fisia Babcock é por grelhas móveis, o mais tradicional e utilizado no mundo e que também será adotado pela URE de Barueri com tecnologia da concorrente Keppel-Seghers (que possui acordo com a Foxx). A rota começa com o descarregamento dos resíduos em depósito para homogeneização por guindaste, que posteriormente transporta a mistura à tremonha de alimentação. Por canaleta, o lixo chega ao alimentador, que o leva às grelhas de combustão.

    O processo de incineração – a cerca de 1.000oC – ocorre nas grelhas móveis, constituídas por fileiras de barras, uma ao lado da outra. Com as fileiras sobrepostas, de forma contínua e alternada, elas se movimentam para frente e para trás. O resíduo e, depois da queima, a escória são transportados pelas fileiras até o fim das grelhas, onde a escória é depositada dentro do extrator, que fica parcialmente cheio de água para exclusão do ar entre o meio ambiente e a caldeira. As cinzas são resfriadas com água e encaminhadas a um depósito por meio de transportador vibratório.

    O ar primário necessário para a incineração é suprido de forma controlada por meio das grelhas. Para uma melhor queima dos gases de combustão, o ar secundário é injetado acima das grelhas. Na caldeira, gases de combustão são resfriados até a temperatura desejada de saída.

    O calor dos gases de combustão é empregado para aquecer a água desmineralizada nas superfícies de aquecimentos do economizador. A água de alimentação segue para um tambor que alimenta o evaporador operado por circulação natural. A mistura de água e vapor é separada no tambor. O vapor é levado às superfícies do superaquecedor que, ao atingir a temperatura específica, é conduzido à turbina.

    Na turbina, fornecida por empresas especializadas como Siemens e TGM no Brasil, o vapor superaquecido aciona o rotor, logo após se condensando. A energia liberada é empregada no gerador acoplado para produzir eletricidade e se conectar à rede. O condensado é coletado em tanque e retorna à caldeira.

    Para controle das emissões, a Fisia Babcock fornece um absorvedor tipo spray dryer, onde, depois de água e leite de cal serem injetados nos gases de combustão da caldeira, o resfriamento das emissões atinge condição para absorver poluentes ácidos, cujos subprodutos são separados em filtro de manga no final do processo. Há na sequência injeção de carvão ativado em reator para remover dioxinas e furanos e metais pesados. No filtro de manga, os poluentes ainda nos gases de combustão reagem quimicamente ou são adsorvidos pelos sólidos e depois precipitados com as partículas de cinzas volantes nas mangas do filtro. Subprodutos do carvão ativado, restos de cal, sulfitos e sulfetos de cálcio são removidos e recirculados a montante do filtro. A Fisia ainda fornece ventilador no final da linha, para manter a pressão baixa na incineração e conduzir os gases de combustão através da caldeira, e chaminé com trocadores de calor de condensação, para expelir vapor de água limpo.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next