Notícias

18 de junho de 2014

Tecnologia ambiental – Notícias: GE expande participação no mercado de água

Mais artigos por »
Publicado por: Quimica e Derivados
+(reset)-
Compartilhe esta página

    A GE Power and Water, em cujo portfólio se incluem as várias tecnologias de membranas para tratamento de água do tradicional grupo americano, está conseguindo manter um bom ritmo de vendas nos últimos anos no Brasil, segundo revelou a gerente de vendas da divisão de água, Jennifer Jacobowitz Rae. Segundo ela, os principais mercados têm sido o de refinarias de petróleo, indústrias de celulose e usinas sucroalcooleiras.

    Química e Derivados, A GE já tem 8 unidades móveis, uma delas na Braskem

    A GE já tem 8 unidades móveis, uma delas na Braskem

    Com linha ampla de membranas – osmose reversa, ultrafiltração, MBR, eletrodiálise reversa e eletrodeionização –, a empresa conseguiu fechar alguns contratos importantes recentemente. No mercado de açúcar e álcool, para a Usina Alto Alegre, de Florestópolis, no Paraná, ainda neste ano começa o comissionamento do sistema Propak, que inclui módulo integrado de ultrafiltração e osmose reversa. A unidade, que prepara a água para alimentação de caldeira da usina, contempla capacidade de ultrafiltração para 120 m3/h e de osmose reversa de 90 m3/h.

    O sistema Propak, lançado em 2010, inclui em um único skid a unidade de desmineralização da água com osmose reversa e a de pré-tratamento com ultrafiltração, que remove turbidez (sólidos totais dissolvidos), diminui a quantidade de insumos químicos para preparar a água para as membranas de osmose. O fato de contar com apenas um único tanque para lavagens e armazenagem de água e um único CLP (controle lógico-programável), além de sua engenharia compacta no skid, diminui o custo da unidade em 10% menor e economiza 35% da área de construção, caso fossem projetadas unidades de ultrafiltração e de osmose reversa separadas da própria GE.

    A ultrafiltração emprega as membranas pressurizadas ZeeWeed 1500, que podem receber água com turbidez média de 25 NTU, e picos de 200 NTU de até 72 horas de operação contínua, para garantir água de entrada na osmose reversa (modelo ProRO 400WT da GE) de 0.1 NTU. Com o pré-tratamento por ultrafiltração, a vida útil da membrana de osmose reversa, segundo a GE, praticamente dobra. Outro sistema Propak já tinha sido fornecido em 2012 para a Usina Alto Alegre, mas em Colorado-PR, com capacidade de 85,5 m3/h de ultrafiltração e 65 m3/h de osmose reversa.

    Embora o sistema Propak seja concebido e seu coração produzido nos Estados Unidos, a montagem final é na fábrica da GE em Sorocaba-SP. A ultrafiltração é disposta em vasos de pressão verticais, com as membranas ZeeWeed pressurizadas com fluxo de fora para dentro. Além delas e da osmose reversa, no skid há também filtros cartucho para limpeza CIP das membranas. A limpeza química é feita com ácido cítrico e soda na ultrafiltração e com anti-incrustantes e biocidas na osmose reversa, receitas que podem ser prescritas pela equipe da área química da GE, que possui programas de tratamento para as membranas e para as caldeiras.

    Em sistemas para reúso de efluentes e esgotos por meio dos biorreatores a membrana, os MBRs, que unem o tratamento biológico com membranas de micro e ultrafiltração, a GE também fecha contratos. No polo petroquímico de Itaboraí, no Rio de Janeiro, o Comperj, por exemplo, será fornecido provavelmente ainda neste ano uma estação ZeeWeed Leap MBR capaz de tratar 750 m3/h dos efluentes da refinaria. Neste ano foi o comissionamento da estação de MBR para tratar o esgoto de ETE da Sabesp em Campos do Jordão-SP, que se encontra em fase inicial de tratamento e cuja vazão média diária é para 179,5 litros por segundo e máxima de 207 l/s.

    Um outro segmento que mostra evolução é o de unidades móveis de desmineralização, montados sob carretas especiais e configuradas com filtros multimídia, torres descarbonatadoras, osmose reversa e leitos mistos de polimento. Lançado em 2011, hoje há oito unidades em operação principalmente em usinas térmicas, indústria de papel e celulose e petroquímicas. Todos estão em contratos temporários e a previsão é a de que a GE faça novos investimentos na área, em resposta a uma demanda crescente pelos serviços.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *