Tecnologia Ambiental

22 de abril de 2014

Tecnologia ambiental – Notícias: Combinação de oxidantes ajuda em remediação paulistana

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Furtado
+(reset)-
Compartilhe esta página

    A antiga região industrial da cidade de São Paulo, que compreende bairros como Brás, Mooca e Cambuci, está passando por uma intensa reocupação de solo, transformando-se em nova área residencial e comercial, com o erguimento de vários condomínios e edificações, que substituem os antigos galpões industriais.

    Química e Derivados, Marchi: parceria com canadenses em oxidantes

    Marchi: parceria com canadenses em oxidantes

    Acompanha essa reocupação, porém, a remediação de uma imensa área de mais de 150 mil metros quadrados, que precisa ser descontaminada muitas vezes de maneira rápida e eficaz, para atender os empreendedores imobiliários e, logicamente, as exigências do órgão ambiental, a Cetesb. Esse cenário está agitando muito o mercado formado por empresas e consultorias especializadas em remediação de solos e águas subterrâneas.

    Este é o caso, por exemplo, da Enfil, de São Paulo, que há cerca de dois anos conta com uma divisão de gestão de resíduos e remediação de áreas contaminadas. Segundo explicou o diretor Aldérico Marchi, a demanda da capital paulistana levou a empresa a firmar parceria tecnológica com a canadense Ivey International, com know-how em oxidação química in-situ.

    De acordo com Marchi, a tecnologia introduzida pelos canadenses envolve principalmente a combinação de oxidantes químicos para melhorar e acelerar o processo de descontaminação em empreendimentos com pressa de resolver logo o problema e começar a erguer seus novos prédios. “A combinação controlada de vários produtos, como peróxido de hidrogênio, persulfato de sódio e permanganato de potássio, pode triplicar a velocidade da remediação”, explicou.

    Em uma remediação na região do bairro do Cambuci, por exemplo, a combinação de peróxido de hidrogênio com persulfato está em andamento numa área contaminada com organoclorados. “Injetamos o persulfato em solução e depois o peróxido, que ativa a reação. Os resultados são muito positivos”, disse. Para ele, essas aplicações se justificam em solos com alta densidade de contaminação e que demandam solução rápida.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *