Química

20 de outubro de 2008

Rio Oil & Gas 2008 – reservatório de bons negócios – Reservatório de bons negócios

Mais artigos por »
Publicado por: Bia Teixeira
+(reset)-
Compartilhe esta página

    “O pré-sal da costa brasileira aguça o apetite de companhias nacionais e estrangeiras, que sondaram possíveis parcerias e prospectaram oportunidades de negócios durante a Riol Oil & Gas 2008m consagrada como o maior evento do setor de óleo e gás abaixo da linha do Equador”

     

    Da sísmica ao refino, todas as etapas da atividade industrial petrolífera puderam ser atendidas pelos 1,2 mil expositores, de 23 países, que se posicionaram em estandes na 14ª Rio Oil & Gas Expo and Conference, realizada no Rio de Janeiro, entre 15 e 18 de setembro. Nada menos que 12 países optaram por reunir empresas em pavilhões, demonstrando que seus governos estão dando respaldo a essa prospecção de negócios em território brasileiro. Sem falar nas dezenas de outras empresas, nacionais e estrangeiras, que, mesmo sem estande fixo, foram sondar novas oportunidades e possibilidades de estabelecer parcerias – desde representações comerciais ao desenvolvimento de projeto e produção em plantas industriais locais.

    Todos buscam caminhos para ingressar ou para ampliar sua atuação na cadeia produtiva de petróleo e gás no Brasil, de olho no potencial de negócios vislumbrado pelas fabulosas descobertas de jazidas na Bacia de Santos, em uma camada do pré-sal que se estende mais além, para outras bacias, ainda que não com os mesmos atrativos; por enquanto, dizem os entusiastas do pré-sal.

    Além de aumentar a ‘pressão’ nas coletivas de imprensa, plenárias, apresentações e painéis sobre o tema, o pré-sal foi também um ‘energético’ para quem teve de percorrer os 35 mil m² do Centro de Convenções do Riocentro em busca de informações ou oportunidades de negócios.

    Os 39 mil visitantes conferiram não somente o portfólio de produtos e serviços oferecidos pelos expositores como também as mais novas tecnologias e as últimas tendências dessa indústria que está em acelerada evolução no país. Muitas empresas aproveitaram a oportunidade para anunciar mudanças em seus quadros executivos, criação de unidades de negócios com foco em petróleo e gás, novos produtos, serviços ou equipamentos além de parcerias e contratos fechados.

    De acordo com o diretor do IBP e presidente do Comitê Técnico da Rio Oil & Gas, José Jorge de Moraes, que integra os quadros da Petrobras, a expectativa de negócios gerados foi inesperada. O volume de negócios prospectado na bateria internacional, da qual participaram oito empresas âncoras e 43 pequenas e médias, chega a US$ 287 milhões. Na rodada nacional, que reuniu 197 pequenas e médias empresas e 24 grandes companhias, a perspectiva é de que sejam fechados negócios da ordem de R$ 175 milhões.

    Moraes definiu a ROG como uma verdadeira radiografia do momento atual da indústria no Brasil, na qual houve a oportunidade de uma grande troca de informações e maior aproximação entre as empresas participantes e visitantes. Ele pontuou ainda que o sucesso e a credibilidade do evento podem ser medidos não só pelas empresas presentes como também pelo número de congressistas – mais de cinco mil. E comemorou a grande participação de estudantes: cerca de 1.600 estudantes, número três vezes maior que o da edição anterior (2006).

    O clima de otimismo foi reforçado pelo secretário de Petróleo e Gás, José Lima de Andrade Neto, do Ministério das Minas e Energia (MME), o qual, no encerramento do evento, disse que o governo espera que o pré-sal promova o crescimento econômico em todas as áreas e não somente no setor de óleo e gás. “Queremos que essa riqueza estimule a economia como um todo e se amplie para a sociedade. A indústria de petróleo já vem estimulando outros setores, mas isso deve ocorrer com mais intensidade agora com as novas descobertas”, declarou o secretário, que até recentemente integrou os quadros da Petrobras, da qual se licenciou para assumir o cargo.

    Química e Derivados, Ministro Edson Lobão (de terno cinza) abriu oficialmente a Rio Oil & Gas, ladeado por Gabriell (esq.) e João Carlos de Luca (IBP), Rio Oil & Gas 2008 - reservatório de bons negócios - Reservatório de bons negócios

    Ministro Edson Lobão (de terno cinza) abriu oficialmente a Rio Oil & Gas, ladeado por Gabriell (esq.) e João Carlos de Luca (IBP)

    O pré-sal consagrou a hegemonia da Petrobras na solenidade final. O presidente da estatal, Sérgio Gabrielli, observou que as reservas estimadas de dois dos novos campos descobertos na Bacia de Santos, Iara e Tupi, somam de 12 a 14 bilhões de óleo equivalente (boe) recuperável. Com isso, o Brasil passará a ter o dobro de suas reservas atuais, que são de 13,9 bilhões de boe. Ele ressalvou que há muitos desafios a vencer, pois a capacidade instalada não é suficiente para a exploração de reservas de tais dimensões, demandando não somente a ampliação da capacidade produtiva da cadeia petrolífera, como também a geração de novas tecnologias.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *