Posto de Escuta

22 de julho de 2013

Posto de Escuta: PPS

Mais artigos por »
Publicado por: Albert Hahn
+(reset)-
Compartilhe esta página
    A

    demanda mundial de PPS (polifenilenosulfeto), depois de alguns anos de estabilidade em torno de 70 mil t/ano, parece que está deslanchando e já caminha para 100 mil t anuais.

    Química e Derivados, Posto de Escuta, PPS

    A combinação de pelo menos duas das três principais características dessa resina semicristalina de alto desempenho – excelente estabilidade química, temperatura de serviço (HDT próxima de 170ºC) e propriedades mecânicas – é responsável pelas principais aplicações:

    • Peças de eletrodomésticos;

    • Componentes elétricos (conectores, interruptores);

    • Componentes de sistemas automotivos: combustível, elétrico, resfriamento;

    • Revestimentos anticorrosão (por aplicação eletrostática em leito fluido etc.);

    • Não-tecidos: para filtros de poeira em termoelétricas a carvão, filtros para telas secadoras de papel.

    Mais de 85% das vendas de PPS são sob a forma de compostos com fibras de vidro, ou com cargas minerais.

    O primeiro produtor mundial de PPS foi a (hoje em dia) Chevron Phillips, que ainda lidera o ranking das capacidades instaladas não chinesas, com 20 mil t/ano. Outros produtores:

    • Ticona (parceria com a japonesa Kureha)

    • Dainippon Ink

    • Toray

    Mas a maior produtora mundial é a chinesa Sino Polymers, que este ano deverá chegar a 55 mil t/ano com a partida de uma segunda planta. A China responde por metade da demanda mundial, boa parte em virtude da importância do carvão no balanço energético do país.

    Química e Derivados, Posto de Escuta, PPSA demanda brasileira de PPS chega a umas 800 t/ano, englobando resina, compostos e semiacabados – pouco menos de 1% da demanda mundial, normal (infelizmente!) para as resinas de alto desempenho em geral. Uma das aplicações significativas é a produção, utilizando monofilamentos extrudados (importados), de telas para a indústria papeleira.

    O ponto de partida para a produção de PPS é o p-DCB, cuja oferta é limitada pela demanda do coproduto o-, que se encontra em declínio.

    Daí o interesse despertado pelo novo processo da coreana SK Chemicals, em parceria com a Teijin. As duas empresas anunciaram um projeto para eventuais 20 mil t/ano de PPS, usando uma rota “isenta de cloro e de benzeno”.

    Enquanto isso, a Lanxess anuncia um investimento de US$ 4 milhões para a instalação em Leverkusen de um novo cristalizador de p-DCB.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next