Economia

1 de janeiro de 2017

Política industrial para o desenvolvimento do setor químico: uma das grandes estratégias para a recuperação da economia brasileira – Abiquim

Mais artigos por »
Publicado por: Quimica e Derivados
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, Política industrial para o desenvolvimento do setor químico: uma das grandes estratégias para a recuperação da economia brasileira - Abiquim

    Iniciativa deve abranger o uso das matérias-primas, energia, regulação, tributação, logística e inovação

    Texto: Marina Mattar 

    A indústria química brasileira é a sexta maior do mundo, com um faturamento líquido de US$ 112,4 bilhões, em 2015, que representa 10% do PIB industrial brasileiro, ocupando a 4ª colocação entre os segmentos que compõem esse índice.

    Por estar na base da grande maioria dos setores, como automobilístico, agrícola, alimentício, cosméticos, eletrodomésticos, higiene pessoal, construção, saneamento, embalagens, têxtil, entre tantos outros, a química é um dos setores que mais possuem efeitos propulsores na economia, sendo que o seu desempenho estimula outros setores, havendo um efeito dinâmico em cadeia, segundo o estudo Sectoral capabilities and productive structure: An input-output analysis of the key sectors of the Brazilian economy, da EESP-FGV e da Cambridge University.

    Química e Derivados, Segurança comportamental ganha relevância na prevenção de acidentes em indústrias químicas - Abiquim ©QD

    A indústria química gera 2 milhões de empregos diretos e indiretos, e é a que melhor remunera seus colaboradores, o dobro da média da indústria de transformação. A química é intensiva em capital, em conhecimento e em recursos humanos qualificados. Por fornecer produtos para diversos setores, há muitos exemplos que comprovam que investimentos na construção de novas plantas químicas atraem novas indústrias de diversos outros segmentos, gerando ainda mais renda e empregos na região.

    O Brasil possui matéria-prima abundante, uma indústria química madura e um grande mercado consumidor local, características só encontradas em um outro país, os Estados Unidos. No entanto, a indústria química brasileira carece de uma política industrial que estimule a agregação de valor no Brasil, gere riqueza para o povo brasileiro e permita um melhor equilíbrio da balança comercial, que acumula déficits contínuos; em 2015, a indústria química registrou déficit de US$ 25,4 bilhões. Essa perda de competitividade impacta negativamente a competitividade de diversos setores da economia.

    Em encontro realizado com o Presidente da República Michel Temer, em julho deste ano, o Conselho Diretor da Abiquim teve a oportunidade de dialogar com ele. Tomamos ciência da importância que sua gestão confere ao desenvolvimento de uma política industrial que possibilite a retomada do crescimento econômico e a geração de empregos. No caso da indústria química, a política industrial brasileira deve abordar o uso das matérias-primas, energia, regulação, tributação, logística, inovação e comércio exterior. Não estamos falando de incentivos fiscais. É muito fácil estimular a produção química simplesmente aproveitando o óleo e o gás do pré-sal para a produção de matérias-primas nacionais.

    O Brasil deve seguir o exemplo de tantos outros países e deixar de queimar as riquezas do gás natural. Os líquidos contidos nesse gás têm uso nobre na indústria petroquímica, de forma que podem agregar valor às inúmeras cadeias industriais abastecidas. O valor desses líquidos é superior ao da molécula propriamente dita de gás. Portanto, é imprescindível o seu aproveitamento e destinação aos segmentos que adotam esses produtos como matéria-prima principal. É inaceitável que continuemos queimando toda essa riqueza. Deixar de desperdiçar esses recursos preciosos permitiria maior disponibilidade de matéria-prima para a indústria química.

    A matéria-prima é o item de maior relevância para a indústria química, podendo representar até 80% dos custos de produção. Sem matéria-prima garantida ou contratos de longo prazo, a garantia de suprimento com qualidade e preços competitivos não há atração por novos investidores. O Brasil possui matérias-primas abundantes, estará entre os cinco maiores produtores de petróleo do mundo até 2030, sua produção de gás deverá triplicar até o mesmo ano. O País ainda tem a maior biodiversidade do mundo, com alto potencial de produção de químicos a partir de matérias-primas renováveis, além de grande reserva de minerais, como quartzo e terras-raras.

    Mas é necessário transformar esses recursos em matérias-primas para a indústria química. O Brasil precisa estimular o aumento da oferta da nafta petroquímica, principal matéria-prima do setor, buscando maior competitividade em relação ao mercado internacional. O gás pertencente à União deveria ser utilizado para o desenvolvimento da indústria química com contratos de longo prazo e preços internacionalmente competitivos, com o objetivo de promover a competitividade da indústria química nos mercados interno e externo, atrair investimentos, buscar a diversificação das cadeias produtivas que permitem elevados índices de agregação de valor. Como consequência, também seriam gerados empregos, benefícios e se aumentaria a arrecadação de impostos.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *