Petroquímica

16 de junho de 2009

Petroquímica – Petroquímica nacional estará vulnerável até 2020

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Fairbanks
+(reset)-
Compartilhe esta página
    O

    Brasil não tem condições de competir com a indústria petroquímica do Oriente Médio, caso ocorra uma entrada no mercado local de grandes volumes de produtos importados daquela região em curto prazo. Em compensação, o setor poderá ganhar fôlego para brigar de igual para igual a partir de 2021. Até lá, o governo e a Petrobras precisam manter alguma política de proteção, como forma de impedir a invasão de petroquímicos básicos, notadamente nafta e eteno, assim como as resinas derivadas desses produtos.

    A opinião é de João Luiz Zuñeda, sócio-diretor da Maxiquim, uma das principais consultorias do país especializadas na análise de cenários da indústria química. Os relatórios da Maxiquim são empregados para afinar decisões estratégicas dos grandes players de primeira e segunda geração do setor e da maioria dos sindicatos de transformadores de resinas termoplásticas do país.

    Como justificativa para sua posição, Zuñeda lembra que existem novos crackers que entraram em operação em 2007, no Oriente Médio. Até 2011, as demais unidades projetadas para a região também estarão em funcionamento. Como efeito, a capacidade de processar nafta sobe 30 milhões de toneladas por ano no mercado mundial, até a virada desta década, fato que deverá pressionar para baixo os preços dos produtos ao longo da cadeia.

    A Arábia Saudita, sozinha, terá condições de adicionar sete milhões de toneladas de nafta em seus novos crackers. A China, uma grande consumidora de petroquímicos e com unidades de produção defasadas, está fechando plantas velhas para aumentar sua capacidade de produção e irá inaugurar unidades de última geração para mais seis milhões de toneladas de nafta processada. Algumas dessas plantas erguidas com capital chinês foram construídas no Irã, onde as empresas europeias e dos EUA estão fora de qualquer tipo de atividade por razões de natureza política. O Irã tem ainda seus investimentos próprios e vai oferecer mais quatro milhões de toneladas de nafta.

    As 13 milhões de toneladas restantes serão processadas no Catar, Emirados Árabes, Kuwait e outras plataformas produtivas do Golfo Pérsico, com investimentos corporativos norte-americanos, por meio da Dow e ExxonMobil, por exemplo. Os europeus têm forte atuação por meio da Shell, British Petroleum, entre outras, além da própria Sabic, pertencente aos reis do petróleo sauditas.

    Química e Derivados, João Luiz Zuñeda, sócio-diretor da Maxiquim, Petroquímica

    João Luiz Zuñeda: expansão o Oriente Médio ameaça setor no Brasil

    A vantagem dos árabes e iranianos, segundo Zuñeda, é que por conta dos novos ativos produtivos e do capital acumulado no período em que o petróleo esteve cotado em US$ 150 por barril, eles conseguiram chegar a um custo de venda da nafta na casa dos US$ 250/t, algo impraticável para a Europa, EUA e América Latina. Para se ter uma ideia da disparidade, na Europa o custo da nafta entregue para a indústria de primeira geração já esteve em US$ 1.000/t, em 2006, porém baixou para US$ 800 nos últimos meses.

    No Brasil, o preço da nafta registrou um pico de preço de US$ 1.200/t, em 2008. Chegou a despencar para US$ 420/t nos três primeiros meses de 2009, mas estabilizou também em US$ 800 a partir de abril. Esse preço ainda valia no mês de maio. Como explica Zuñeda, por conta da crise nos principais mercados, o cenário atual de superoferta se reflete negativamente na rentabilidade e nas vendas das empresas brasileiras.

    Com relação ao excesso de nafta e eteno, o problema tende a se agravar no curto prazo. Ele explica: em 2008, a demanda mundial de nafta pela indústria petroquímica foi de 115 milhões de toneladas. Em 2009, o consumo será de quatro milhões de toneladas a menos, ou seja, 111 milhões. Com a entrada dos volumes proporcionados pelas novas plantas e adicionando a queda de demanda, poderá ocorrer uma nova bolha de superoferta de aproximadamente 34 milhões de toneladas de nafta e, por conseguinte, de derivados petroquímicos ao longo da cadeia. Desse volume, dois terços serão transformados em eteno e posteriormente em polietileno, a resina mais popular entre os termoplásticos.

    Diante de tal cenário, Zuñeda alerta que os acordos bilaterais do Brasil, tais como os que vêm sendo alinhavados com a Arábia Saudita, neste momento, podem ser perniciosos para a petroquímica nacional, por derrubar as barreiras alfandegárias de todos os produtos de cada país, embora favoreçam outros elos da economia, como a agroindústria. Para Zuñeda, nos próximos dez anos o Brasil irá criar as condições necessárias para realizar preços petroquímicos mais competitivos, após cumprir um período de transição compreendido por três etapas.

    A primeira etapa, conforme o sócio da Maxiquim, foi cumprida. Corresponde à consolidação de todas as empresas em dois grandes conglomerados, notadamente a Braskem e a Quattor, com participação societária da Petrobras próxima de um terço de todo o sistema corporativo.

    A segunda parte é a reformulação do critério de formação do preço da nafta, um velho tabu estimulado pela Petrobras, o qual começou a ser rompido na virada de 2008 para 2009. De acordo com Zuñeda, uma nova equação foi estipulada, saindo do chamado preço spot, o qual amarrava os valores da nafta em margens muito apertadas de negociação ao longo da cadeia. A fórmula é mantida em sigilo, contudo a Braskem revelou que basicamente os novos valores deixarão de contabilizar tão somente os critérios de leitura de custos praticados na Europa e nos Estados Unidos.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next