Petroquímica

11 de março de 2002

Petroquímica: Copesul amplia vendas de gasolina

Mais artigos por »
Publicado por: Fernando C. de Castro
+(reset)-
Compartilhe esta página
    A

    queBRa do monopólio da comercialização e refino de petróleo no Brasil repercute diretamente no planejamento estratégico da indústria petroquímica. No final de fevereiro, A Companhia Petroquímica do Sul (Copesul), central de matérias-primas do pólo de Triunfo-RS, anunciou a intenção de ampliar substancialmente a produção de gasolina nos próximos dois anos. Diferente do combustível gerado nas refinarias, proveniente do refino de petróleo, a gasolina petroquímica resulta da destilação de aproximadamente 45% de nafta de 80 octanas, combinada com diversas correntes de carbono, resultando em gasolina do tipo A, acrescida de 15% de álcool anidro, vendida na bomba como gasolina comum.

    Química e Derivados: Petroquímica: Karin Hans - é preciso investir no carregamento.

    Karin Hans – é preciso investir no carregamento.

    Se todos os planos e metas forem cumpridos, já neste ano a presença da gasolina nos tanques de armazenagem da planta da Copesul deverá crescer de 12 milhões para 30 milhões de litros/mês até o final de 2002, chegando a 60 milhões de litros/mês, até o final de 2003.

    Atualmente, o combustível participa com 4% do faturamento. Com o aumento da produção de gasolina, a Copesul pretende fazer com que o produto passe a responder por 13% de seu faturamento bruto. De acordo com a executiva da área comercial da Copesul, Karin Hans, o aumento da produção cada vez maior de gasolina está relacionado diretamente com o fim do monopólio da Petrobrás para distribuição do derivado, o que ocorreu em 2001, pois se antes a indústria petroquímica era obrigada a revender a gasolina à estatal, agora tem a opção de agregar valor com o combustível ao conjunto de seu negócio.

    “O projeto gasolina receberá investimentos. Ainda não começamos a construir os novos tanques e ilhas de carregamento. Mas aguardamos o sinal verde da área administrativa para começarmos as obras”, assinala Karin. A executiva explicou que a idéia é comercializar a gasolina somente na região Sul do país. “Por enquanto estamos repassando apenas para as distribuidoras do Rio Grande do Sul”, complementa. Com tudo isso, a longo prazo, a Refinaria Alberto Pasquallini, da Petrobrás, localizada em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, ainda será de longe a principal produtora de gasolina automotiva para o Rio Grande do Sul, com 3,5 milhões de litros diários, perfazendo um total de 105 milhões de litros/mês.

    Balanço de 2001 – A Copesul registrou uma queda de 94% em seu resultado final no ano passado: R$ 8,3 milhões. Uma queda significativa se comparada com os R$ 131 milhões apresentados em 2000. o aumento da produção de gasolina, pode fazer parte de uma estratégia da Copesul para diversificar seu leque de produtos e assim obter novas fontes de faturamento em busca de resultados mais satisfatórios. Segundo a direção da companhia, o resultado negativo decorreu justamente do impacto da variação cambial sobre a dívida em moeda estrangeira, da crise na Argentina, ocasionando limitações nas exportações brasileiras e com o aumento de produtos argentinos vendidos no Brasil, decorrente da desvalorização do peso.

    Química e Derivados: Petroquímica: Tancagem de gasolina deve ser ampliada para 60 milhões de litros-mês até 2003

    Tancagem de gasolina deve ser ampliada para 60 milhões de litros-mês até 2003.

    Outro fator foi a desvalorização do real, ocasionando um aumento significativo nos custos de financiamentos contratados para a construção da segunda planta produtiva da companhia, concluída em 1999. Mas a queda da lucratividade da Copesul decorreu ainda de outros fatores, como a desaceleração da economia mundial que provocou a retração da demanda por produtos petroquímicos. Ao final de 2001, a dívida líquida e consolidada (dívida bruta contratada menos aplicações financeiras) da Copesul, predominantemente indexada ao dólar, era de R$ 1,1 bilhão.

    O impacto foi minimizado pela opção da companhia em diferir (contabilizar nos três anos seguintes) parte da variação cambial incidente sobre a parcela da dívida que irá vencer a partir de 2002, no valor de R$ 74,6 milhões, já descontado o imposto de renda. O patrimônio líquido, ao final do exercício de 2001, totalizou R$ 918,7 milhões, equivalentes a US$ 395,9 milhões. Em 2001 a Copesul comercializou 2,4 milhões de toneladas de produtos petroquímicos, especialmente para as indústrias de segunda geração do Pólo Petroquímico do Sul, em Triunfo. Cerca de 12% da produção foi exportada. No ano de 2000, havia comercializado 2,7 milhões de toneladas.

    As perspectivas para 2002 apontam para a retomada lenta e gradual da economia internacional a partir do segundo semestre, balizada especialmente pelo mercado norte-americano, o que deverá favorecer o crescimento dos negócios. A Copesul deverá ampliar os volumes comercializados, caso se mantenham o atual cenário no mercado de petróleo e derivados e a perspectiva de reaquecimento do setor petroquímico. A confirmação dessa tendência, associada à condição de excelência das operações, permitirá à empresa voltar a operar em níveis mais elevados em 2002.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next