Química

20 de setembro de 2007

Petrobrás – Planos para ampliar produção e integração energética até 2020

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Fairbanks
+(reset)-
Compartilhe esta página

    A

    Petrobrás divulgou em agosto a revisão de seu plano de negócios, dessa vez referente ao período de 2008 a 2012, elaborado em consonância com o planejamento estratégico de longo prazo traçado até 2020. Até a segunda dezena deste século, a estatal pretende se situar entre as cinco maiores empresas integradas de energia do mundo. Ambiciosa, a meta exige investimentos pesados em todas as etapas da cadeia produtiva, agora estendida aos produtos petroquímicos.

    Como nos anos anteriores, as intenções de investimento saltam aos olhos, perfazendo um total de US$ 112,4 bilhões a ser distribuído no período. Os recursos para tanto serão obtidos pela geração própria de caixa, complementados por financiamentos compatíveis com a capacidade de pagamento da estatal. A área de extração e produção de óleo e gás natural (E&P) consumirá US$ 65,1 bilhões (58%), coerente com os planos de ofertar 3.494 mil barris de óleo equivalente por dia (boed, com óleo, gás e condensados) ao final de 2012. Em 2015, a estatal pretende alcançar a produção diária de 4.153 mil boed, somando as operações locais e internacionais da companhia.

    Química e Derivados, Petrobrás - Planos para ampliar produção e integração energética até 2020

    *No plano 2007-2011 contemplava os investimentos em biocombustíveis

    Em relação ao plano anterior, de 2007-2011, o volume de investimentos aumentou em US$ 31,2 bilhões (34%), principalmente pela introdução de novos projetos, no total de US$ 13,3 bilhões (16%). Entre eles estão o aumento da recuperação de campos de alta explotação, plano de gás, e o Complexo do Rio de Janeiro (Comperj) com sua refinaria petroquímica e satélites. Mas também contribuíram para o aumento a elevação de custos mundial do setor de petróleo, representando um adicional de US$ 10,9 bilhões (13%), e a variação cambial verificada entre 2006 e 2007 que devorou mais US$ 4,2 bilhões (5%).

    Mais do que qualquer dos ministérios, o volume de investimentos da Petrobrás constitui a maior alavanca do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), instituído no atual governo. Isso explica a presença constante do presidente da República nas cerimônias públicas de batismo de plataformas e início de terraplanagens, sempre escoltado pelo presidente da estatal, o economista José Sérgio Gabrielli. “Nosso plano de negócios prevê mais de mil projetos, dos quais 454 têm valor superior a US$ 25 milhões”, disse o executivo.

    O fluxo de desembolsos prevê para2007 aalocação de R$ 54 bilhões nesses projetos, correspondentes a US$ 25 bilhões, aproximadamente. Em média, cada um dos próximos quatro anos deve receber investimentos de US$ 22 bilhões. Além do montante, a exposição da gigante estatal atrai as atenções de vários setores, principalmente políticos. Isso desencadeou uma pequena dança das cadeiras na estatal. Na segunda quinzena de setembro, o ex-senador e ex-presidente da estatal José Eduardo Dutra foi nomeado presidente da BR Distribuidora, substituindo Maria das Graças Foster, indicada para a diretoria de gás e energia. Nesse cargo, substituiu Ildo Sauer, que retornou às atividades acadêmicas na Universidade de São Paulo. Em carta aberta, Sauer atribuiu sua demissão por ter se oposto à atual política energética, mediante a qual se espera que a Petrobrás forneça gás natural barato para termelétricas, evitando futuros apagões.

    Química e Derivados, José Sérgio Gabrielli, Presidente da Petrobrás, Petrobrás - Planos para ampliar produção e integração energética até 2020

    Gabrielli: execução do plano depende de fornecedores

    Ao defender a remuneração plena do gás, Sauer teria contrariado a ministra da Casa Civil Dilma Roussef, ex-titular de Minas e Energia, mas que ainda mantém controle sobre a pasta. Tanto que as novas indicações foram interpretadas como impostas por ela, principalmente no caso de Maria das Graças Foster, que antes comandara a Petroquisa. Há comentários sobre uma possível ampliação da dança das cadeiras, atingindo outras diretorias. Esses rumores ganharam força com a carta de despedida de Sauer, cuja saída havia sido negada quinze dias antes pelo próprio Gabrielli, e se refletem no mercado de capitais, afetando o interesse de investidores em papéis da estatal.

    Custos elevados – “O maior desafio para o plano de negócios não é o valor, mas a capacidade física dos fornecedores”, comentou Gabrielli. A preocupação confirma a superocupação da cadeia de suprimentos da indústria do petróleo em todo o mundo. O caso das sondas de perfuração é típico, não havendo disponibilidade para contratar novos arrendamentos. Felizmente, a estatal conta com unidades suficientes para manter seu ritmo de exploração, somando 63 perfuratrizes entre próprias e arrendadas por meio de contratos de longo prazo.

    A situação é desconfortável até mesmo em relação à mão-de-obra necessária para dar conta de tantos projetos. “Como a Petrobrás praticamente não contratou ninguém entre 1990 e 2000, nosso perfil de pessoal é de gente com menos de sete anos ou de mais de dezessete anos de casa, exigindo esforços em capacitação para substituir os profissionais que se aposentam”, explicou o presidente da estatal.

    Ao todo, o plano de negócios exigirá a contratação de 228 mil pessoas pela estatal, 350 mil trabalhadores na cadeia produtiva e outros 338 mil conquistarão emprego fora da cadeia produtiva setorial, porém com origem na geração de renda por ela proporcionada. Até 2009, o Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás (Prominp) pretende capacitar 77 mil trabalhadores que serão indicados para fornecedores da estatal.

    Do ponto de vista administrativo, Gabrielli considera fundamental manter controle apurado das operações dado o alto volume de projetos. Ele ressalta a necessidade de a estatal reduzir seus custos e prazos de entrega, gerir melhor seus estoques e portfólio de ativos, além de contar com práticas avançadas de gestão financeira. A desatenção com qualquer um desses itens pode ter reflexos perversos para a companhia.


    Página 1 de 512345

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next