Economia

18 de março de 2015

Perspectivas 2015 – Plásticos: Ministro adota agenda pró-indústria

Mais artigos por »
Publicado por: Jose P. Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página

    A perda de competitividade da indústria nacional nos últimos anos preocupa Armando Monteiro, novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria. Ele anunciou, em entrevista coletiva dada após sua cerimônia de posse, a apresentação, em curto prazo, de uma agenda positiva para o setor. “É nosso papel primordial posicionar o tema da competitividade no centro da atenção política do Brasil”, enfatizou.

    A agenda terá foco em cinco temas: comércio exterior, ambiente tributário, renovação do parque fabril, estímulo à inovação e aperfeiçoamento do sistema de governança da competitividade. Para aumentar o comércio exterior, o MDIC irá divulgar um plano nacional de exportação com medidas de financiamento, garantias e desoneração de exportações e facilitação de comércio. Outras ações previstas são o fortalecimento do Portal Único do Comércio Exterior e a busca, com o Ministério das Relações Exteriores, da ampliação dos acordos comerciais com parceiros estratégicos – Mercosul, Estados Unidos, China e países da América do Sul. “Temos razões para acreditar que vamos ter um melhor desempenho este ano, o câmbio está ajudando. E temos uma oportunidade com a retomada da economia norte-americana”.

    Em busca da melhora do ambiente tributário, será apresentado um conjunto de reformas microeconômicas de impacto fiscal reduzido, que estão sendo definidas. O objetivo é garantir segurança jurídica a investidores e desburocratizar processos. A renovação do parque fabril, terceiro ponto apresentado pelo ministro, buscará diminuir a idade média das máquinas e equipamentos em operação no Brasil. Para isso, a ideia do governo é implantar um modelo de financiamento dos bancos públicos que permita o aumento do acesso a recursos por pequenas e médias empresas.

    O ministro ainda defendeu o estímulo à inovação como ponto fundamental para o incremento da competitividade brasileira. Segundo ele, é preciso aprimorar o marco legal, ampliar o escopo e foco do financiamento e aumentar a integração e sintonia entre as políticas de inovação industrial. Foi destacada a necessidade de aumentar o número de empreendedores com acesso a fontes de fomento. O quinto ponto inclui o fortalecimento do diálogo do Governo Federal com o setor produtivo a partir da revitalização de conselhos consultivos já existentes. Embora não tenha divulgado a data para o anúncio da agenda positiva, o ministro destacou que há urgência no avanço de medidas.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *