Economia

27 de março de 2015

Perspectivas 2015 – Plásticos: Construção civil e embalagens sustentam crescimento do setor de transformação de resinas

Mais artigos por »
Publicado por: Jose P. Sant Anna
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, Perspectivas 2015 - Plásticos: Construção civil e embalagens sustentam crescimento do setor de transformação de resinas
    A indústria de transformação do plástico prevê tímida recuperação em 2015. A perspectiva está longe de representar um sentimento muito otimista. Deve-se mais aos resultados negativos alcançados em 2014, quando a produção total de transformados plásticos no Brasil caiu 2,7%. Diante desse número modesto deve haver crescimento. Espera-se algo em torno de 1%, o mesmo patamar previsto para a atividade industrial como um todo. Em 2014, o volume de produção ficou próximo das 6,3 milhões de toneladas, movimentando em torno de R$ 67,4 bilhões.

    Química e Derivados, Roriz Coelho: PICPlast ajuda a conquistar novos espaços

    Roriz Coelho: PICPlast ajuda a conquistar novos espaços

    “É preciso ser realista, será um ano difícil. Nada indica uma recuperação entusiasmante”, avalia José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast). Os desafios não são poucos. Vão além dos velhos questionamentos feitos pela indústria, problemas como impostos elevados, taxas de juros na estratosfera e deficiências na infraestrutura ou, em resumo, o chamado “custo Brasil”.

    Vamos às questões atuais. O crescimento do PIB deve ser tímido. O preço da energia elétrica, reprimido nos últimos tempos, deve sofrer reajuste importante. A inflação ficará próxima do limite máximo estipulado pelo governo, algo em torno de 6,5%, ameaçando o poder de compra dos trabalhadores. Os juros subiram. Para complicar, no Estado de São Paulo, o mais industrializado do país, ronda o fantasma da crise do abastecimento de água.

    A valorização do dólar ocorrida nos últimos meses é notícia considerada preocupante por um lado e boa por outro. O aspecto negativo fica por conta do preço das matérias-primas. “Os fabricantes nacionais alinham seus preços de acordo com as cotações externas”, diz o presidente da Abiplast. A queda do preço do petróleo ocorrida nos últimos meses atenua, mas não elimina o problema. A boa nova é que alta da moeda norte-americana inibe as importações, torna mais competitivos os produtos nacionais. “Os países que exportam para o Brasil, no entanto, têm mostrado meios de se defender das variações do câmbio”, adverte Roriz Coelho.

    As perspectivas para balança comercial de transformados plásticos comprovam as preocupações do presidente da Abiplast. Para 2015, espera-se um aumento de 6% nas importações, contra aumento de 0,5% nas exportações. “Acreditamos no aumento de 8% no déficit da balança comercial, número que tem crescido de forma preocupante nos últimos anos”. O consumo aparente deve crescer 2% em volume, totalizando 6,9 milhões de toneladas, num valor aproximado de R$ 76 bilhões. O coeficiente de importação representa 12%. Uma boa nova: o número de empregos deve crescer 2%, chegando à casa de 360 mil postos de trabalho.

    Todas essas perspectivas podem se mostrar acertadas ou não, dependendo dos rumos da política econômica e industrial a serem adotadas pela nova equipe de ministros do governo federal. Um fato considerado positivo por Roriz Coelho foi a indicação de Armando Monteiro, ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria, para o posto de ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. “A escolha foi boa, se trata de uma pessoa que entende os problemas da indústria, setor que já representou 30% do PIB e hoje conta com 12%”, aponta. A esperança é que o ministro consiga interagir com os demais responsáveis pela política macroeconômica. “Sozinho ele não poderá resolver todos os problemas”.

    Uma brisa de esperança – Desafios à parte, a indústria de transformação do plástico tem a seu favor alguns fatores capazes de melhorar o desempenho esse ano. Um deles deve-se a uma particularidade que distingue o plástico de outros materiais, a versatilidade. Graças a essa característica, sempre há a oportunidade de surgir aplicações nas quais ele pode substituir com vantagens outras matérias-primas. Só para citar alguns exemplos comentados hoje em dia, podemos falar dos segmentos de embalagens, onde sempre surgem novos formatos, e construção civil. A indústria automobilística é outra na quala sempre são pesquisados usos revolucionários para a matéria-prima.

    A particularidade é reconhecida por Roriz Coelho. O dirigente, no entanto, não acredita que em 2015 essa vantagem deva alavancar o uso de peças plásticas de forma significativa. Para justificar seu raciocínio, aponta o momento delicado enfrentado por setores que se encontram entre os principais clientes. “As áreas de construção civil e indústria automobilística não passam por momento positivo”, afirma.

    A maior esperança do presidente da Abiplast reside na área de embalagens, sejam elas de produtos comestíveis, de higiene e limpeza ou cosméticos. “Talvez o setor de embalagens seja o menos atingido, mas nada indica que ele deve crescer muito”. Para esse uso, o plástico vem substituindo vidro, madeira e papel em diversas aplicações nos últimos anos. “A oportunidade existe. É preciso investir em inovação, há um longo caminho a ser percorrido”.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *