Notícias

11 de abril de 2002

Negro-de-Fumo: Oferta maior altera o mercado do negro-de-fumo

Mais artigos por »
Publicado por: Hamilton Almeida
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Fábrica nova vai colocar mais 50 mil t/ano do pigmento no mercado brasileiro, acirrando a disputa entre fornecedores, promete reduzir importações e ampliar vendas ao exterior

    A

    primeira fábrica de negro-de-fumo da Degussa na América do Sul, prevista para entrar em operação entre os meses de julho e setembro, promete sacudir o mercado brasileiro, que movimenta ao redor de 250 mil toneladas/ano. Com um investimento da ordem de US$ 60 milhões, o grupo alemão está construindo em Paulínia-SP uma unidade moderna com capacidade inicial de produção de 50 mil t/ano.

    Química e Derivados: Negro: fumo01.A entrada do novo competidor no mercado – ao lado dos gigantes Cabot e Columbian Chemicals – já vinha sendo sinalizada há três anos, quando a Degussa, num trabalho de pré-marke-ting, começou a comercializar negro-de-fumo no País, importando o produto das suas fábricas na Europa (Holanda e Alemanha) e Estados Unidos. Segundo Eraldo Pereira, gerente de negócios, a empresa está vendendo uma média mensal de 1.000 a 1.500 t, que são destinadas basicamente aos segmentos de borracha e pigmentos.

    “A decisão de construir a planta no Brasil foi tomada há seis anos”, revela o executivo. Nessa decisão, pesou o fato do Brasil comprar no exterior uma média de 30 mil a 40 mil t/ano e o desejo da empresa ter uma fábrica na América do Sul. A escolha de Paulínia é estratégica.

    A futura unidade estará próxima à Replan, que produz o RARO, resíduo aromático de baixo teor de enxofre utilizado na produção de negro-de-fumo. A matéria-prima chegará por meio de dutos, evitando-se, assim, a circulação de caminhão pelas estradas. A fábrica também estará localizada próxima de grande parte dos clientes da empresa e de centros de excelência como a Universidade de Campinas (Unicamp). As obras começaram em outubro de 2000.

    Química e Derivados: Negro: Pereira - tecnologia moderna tem baixo impacto ambiental.

    Pereira – tecnologia moderna tem baixo impacto ambiental.

    A unidade, de 270 mil m², vai gerar 140 postos de trabalho diretos e indiretos. “Numa segunda etapa, teremos condições de atender outros mercados regionais”, antecipa Pereira, de olho nas economias dos países do Continente. “O projeto da fábrica de Paulínia contempla espaço disponível para até dobrar a capacidade de produção, em módulos de 20 mil a 25 mil t.” Essa unidade é, na verdade, a primeira fábrica de negro de fumo construída pela Degussa. Todas as demais 18 plantas que a corporação possui espalhadas pelo mundo (6 nos Estados Unidos, 2 na Alemanha e na Coréia do Sul, e uma na África do Sul, França, Itália, Holanda, Suécia, China, Portugal e Polônia) foram adquiridas de terceiros.

    Outra vantagem da nova fábrica, segundo Pereira, é que a sua tecnologia reúne o que há de melhor nas experiências da Degussa. Utilizará os mais sofisticados controles eletrônicos para o processo, tanto em termos de qualidade e eficiência, como em proteção ao meio ambiente. A empresa está instalando flares com “a melhor tecnologia de controle disponível (BACT)”. Estes flares têm uma eficiência de conversão e de queima de 98% do gás residual.

    Pereira revela que a unidade possivelmente irá produzir dois novos tipos de negro de fumo. Utilizado na fabricação de perfis automotivos, o purex é uma tecnologia nova que está entrando no País e melhora a produtividade e o acabamento da peça. Em algumas aplicações, também substitui o N550.

    O ecorax é um produto exclusivo da Degussa que, garante o gerente de negócios, “melhora sensivelmente o triângulo mágico”: resistência ao rolamento, desgaste da banda de rodagem e tração a úmido. A família de negros-de-fumo ecorax é caracterizada, de acordo com informe técnico da empresa, por sua superfície rugosa e superior interação carga-elastômero.

    Química e Derivados: Negro: Fábrica da Degussa em Paulínia-SP inicia produção no segundo semestre.

    Fábrica da Degussa em Paulínia-SP inicia produção no segundo semestre.

    Devido às quantidades limitadas de grandes agregados, estes novos negros-de-fumo apresentam menor desgaste da banda de rodagem combinado com excelentes propriedades de histerese, o que diminui o desenvolvimento de calor interno (heat build-up) e mantém a tração a úmido em comparação com os negros-de-fumo padrão ASTM. São particularmente apropriados para uso em pneus de caminhões e ônibus. Calcula-se que 90% do volume total de negro-de-fumo produzido vai para as indústrias de pneus e borrachas, melhorando significativamente suas propriedades de reforço, durabilidade e resistência.

    A fábrica de Paulínia produzirá os seguintes tipos: 220, 234, 330, 326, 339, 550, 683, 660 e 772. E, dependendo da demanda dos clientes, os 375, 115 e 347. Paralelamente, a Degussa se compromete a realizar um projeto de recuperação da mata ciliar das margens do Rio Atibaia, no próprio parque industrial, plantando 10 mil mudas de espécies nativas. Além disso, 2% do investimento será dedicado, nos próximos quatro anos, a iniciativas ligadas ao meio ambiente. O primeiro será a compra e instalação de equipamentos de medição e monitoramento de ar na região.

    Demanda – Pereira afirma que a futura produção será, a princípio, toda comercializada no mercado brasileiro, que apresentou uma queda em torno de 3% a 5% em 2001. O atual bom desempenho da indústria automobilística representa, no entanto, uma injeção de ânimo, que faz a empresa esperar um crescimento de 3% ao ano, a partir de 2002. Assim, neste ano, o mercado voltaria aos níveis registrados em 2000.

    O analista de marketing da Columbian Chemicals Brasil, Marcus Vinicius Martins, também aposta que o desempenho de mercado deste ano será positivo, “mas com crescimento lento até o início do terceiro trimestre, chegando a 3%, em comparação com 2001”. Com uma fábrica em Cubatão (ex – Copebrás, adquirida em outubro de 1998) com capacidade nominal de 190 mil t/ano, a empresa é líder no mercado nacional e exporta 5% da sua produção para os países do Mercosul.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next