Produtos Químicos e Especialidades

11 de setembro de 2012

Nutrição Animal – Cardápio de aditivos químicos garante o equilíbrio das rações

Mais artigos por »
Publicado por: Hamilton Almeida
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, Nutrição Animal

    A

    produção de ração animal no Brasil deu um salto gigantesco. Passou de 5 milhões de tonela­das, em 1980, para 65 milhões, este ano, o que confere ao país a 3ª posição no ranking mundial. Após essa explosiva multiplicação por 13 nos níveis de produção em 31 anos, a perspectiva é a de atingir o patamar de 86 milhões de toneladas em 2020 (mais 32%), segundo as estimativas de Ariovaldo Zani, vice-presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações).

    Química e Derivados, Ariovaldo Zani, vice-presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal, Nutrição Animal

    Ariovaldo Zani: importação de aditivos é um gargalo sério para o setor

    Esse crescimento todo é alavancado pela “demanda nutricional de frangos, poedeiras, suínos, bovinos de corte e vacas leiteiras, animais fornecedores de carnes, ovos e leite que atendem o consumo doméstico e as exportações”, como detalha Zani. Por outro lado, o Brasil demonstra uma “completa dependência do fornecimento externo dos aditivos elaborados por síntese química ou fermentação”. O Sindirações calcula que a indústria de produção animal importou 300 mil toneladas de aditivos nutricionais em 2011, gastando cerca de US$ 1,3 bilhão.

    Embora seja, obviamente, um dos maiores consumidores de aditivos alimen­tares do planeta, “o Brasil não conta com parque industrial local e importa pratica­mente todas as vitaminas, enzimas, amino­ácidos, agentes promotores de crescimen­to etc”, alerta Zani. “A intensificação da produção animal alinhada aos modernos conceitos de desenvolvimento susten­tável delega importância crescente aos aditivos alimentares utilizados na cadeia produtiva, por tornar a produção mais eficiente e a proteína animal mais aces­sível à população”, reconhece.

    Ele comenta que o consumo de aditi­vos tem acompanhado o crescimento da produção de rações; e vai além, buscando melhor desempenho zootécnico, menor descarga de resíduos no meio ambiente e mitigação da pegada de carbono. Por isso, ano após ano, a importação desses moduladores do desempenho pecuário supera o crescimento proporcional atre­lado à produção de rações e suplementos (efeito quantitativo), por causa dos benefícios adicionais atribuídos aos ganhos de produtividade e à preservação do meio ambiente (qualitativo).

    De acordo com os dados do Sindirações, as importações de vitami­nas, aminoácidos, agentes melhoradores de desempenho e outros aditivos triplica­ram nos últimos dez anos. “É importante salientar que, apesar de fatores externos favoráveis e do fortalecimento da pro­dução de carnes, a importação crescente dos aditivos para alimentação animal mantém um gargalo estratégico perma­nente”, adverte.

    A indústria de rações teme essa vulnerabilidade nacional e as consequ­ências dessa persistente dependência no desenvolvimento da cadeia produ­tiva brasileira. “A cada dia que passa, a competitividade brasileira fica mais vulnerável à capacidade de suprimento por parte dos fornecedores internacio­nais, notadamente originários de países da União Europeia, China, Estados Unidos, Índia, Uruguai e Coreia do Sul, já que esses mesmos países competem entre si em diferentes escalas no merca­do fornecedor de produtos derivados de origem animal. Ou seja, são concorren­tes do Brasil na oferta de carne bovina, suína e de aves, ovos, leite e derivados etc.”, observa Zani.

    Ele salienta que praticamente to­dos os aditivos alimentares utilizados são importados, dos quais podem ser destacadas as vitaminas (A, D3, C, E, B1, B2, B6, B12, K3, pantotenato de cálcio, ácido fólico, niacina, biotina, cloreto de colina), os aminoácidos DL-metionina, treonina e triptofano (exceção à L-lisina, que tem produção nacional) e os agentes melhoradores de desempenho – enzimas, pré-bióti­cos, pró-bióticos, antimicrobianos e anticoccidianos.

    Um outro elemento, mais palpável ainda, vem afetando a marcha dos negócios. As recentes greves do fun­cionalismo público federal e operações padrão têm comprometido o fluxo de mercadorias. Zani declara: “A interrup­ção na concessão de anuência prévia, a paralisação do tráfego aeroportuário, a inércia no desembaraço aduaneiro, e o atraso na conferência física das cargas e na liberação dos insumos essenciais à produção provocam perda de empregos e colocam em dúvida a imagem do Brasil, considerado um dos grandes for­necedores de alimentos do século XXI.”


    Página 1 de 512345

    Compartilhe esta página







      Um Comentário


      1. rosimere

        QUEM FAZ NUTRIÇÃO HUMANA PODE SE ESPECIALIZAR NA ÁREA DE NUTRIÇÃO ANIMAL?



      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next