Tecnologia Ambiental

11 de setembro de 2013

Notícias – Tecnologia ambiental: Energia do lodo de esgoto

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Furtado
+(reset)-
Compartilhe esta página

    A

    alemã Huber Technology, especializada em sistemas para tratamento de água, efluentes e resíduos, quer vender no Brasil sistema de recuperação energética por meio de tecnologia de secagem e incineração de lodo de estações de tratamento de esgoto. O propósito, segundo o diretor executivo da Huber do Brasil, Marco Aurélio Silva, é aproveitar uma demanda equivalente a 65 mil GWh por ano no Brasil, correspondente ao tratamento de esgoto de 70 milhões de habitantes, que geram por ano 1,3 milhão de toneladas de lodo.

    A tecnologia sludge-to-energy se inicia com o secador BTDryer, que opera com baixas temperaturas (de 80ºC a 120ºC) e alta eficiência, por meio de água quente aquecida pelo calor do incinerador utilizado no sistema pós-secagem. A secagem do BTDryer aumenta o teor de sólidos do lodo normalmente de 20% para 65%. O ar quente recircula no secador e ao final passa por condensador para remoção da água evaporada do lodo, retornando para o processo de secagem. “O sistema fecha o ciclo térmico e, além disso, garante no máximo 2% de particulados dentro do secador, o que é uma vantagem em comparação com sistemas de queima com combustíveis, que criam atmosfera explosiva”, disse Silva.

    Depois de secos, os lodos se tornam combustível com poder calorífico semelhante ao do carvão, de 9,6 a 30 MJ/kg, preparados para queima no incinerador a 850ºC, em tempo de residência de três segundos. Contempla ainda o controle de emissões um lavador de gases e sistemas para abater NOx (dosagem de ureia) e filtros de manga para particulados. Para as emissões atmosféricas, aliás, a empresa segue a legislação alemã, embora o Brasil já tenha resoluções e leis estaduais para regulamentar a atividade de incineração de resíduos industriais e domésticos.

    De acordo com Marco Aurélio Silva, as apresentações da tecnologia e as sondagens no mercado o fazem crer que a primeira unidade no Brasil deve ser de grande escala, em alguma companhia estadual de saneamento ou em uma concessionária privada. A modalidade de negócio pode ser uma parceria público-privada, uma locação de ativos, um BOT, ou seja, qualquer modelagem financeira desejada pelo cliente.

    Nesses casos, o cenário envolveria a adição de uma turbina a vapor para gerar energia. Segundo Silva, uma cidade como São Paulo, além da geração de energia elétrica e térmica, conseguiria economia de transporte e disposição de lodos em aterros de R$ 50 milhões por ano. As cinzas da incineração podem ser utilizadas como nutrientes em fertilizantes.

    A Huber instalou algumas dessas unidades na Europa. Uma na cidade de Straubing, na Alemanha, seca e incinera todo o lodo da estação de tratamento de esgoto do município de 250 mil habitantes, gerando energia elétrica e economia anual aproximada de R$ 1,8 milhão.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next