Produtos Químicos e Especialidades

10 de abril de 2014

Negro de Fumo: Tipos especiais avançam com a sofisticação das aplicações

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Fairbanks
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, Negro de Fumo: Tipos especiais avançam com a sofisticação das aplicações

    Negro de Fumo: Tipos especiais avançam com a sofisticação das aplicações

    Além de gerar a cor preta e o acerto de tonalidade das demais, com uso destacado nos setores de tintas e de plásticos, o negro de fumo também exerce papel importante como carga reforçante para borrachas. Sem ele, os pneus durariam muito menos e teriam baixa adesão ao pavimento, tornando a condução de veículos insegura.

    Aliás, a demanda por negros de fumo no setor de borracha supera em muito os demais usos do material. “Os fabricantes de produtos de borracha buscam atuar nos produtos de maior valor, como os pneus de alto desempenho, que requerem negros de fumo com características especiais”, explicou Flavio Ricardo Rodrigues, vice-presidente de vendas e logística para a América do Sul da Birla Carbon – empresa do grupo indiano Aditya Birla.

    Química e Derivados, Rodrigues: migração acelerada das commodities para especiais

    Rodrigues: migração acelerada das commodities para especiais

    Rodrigues apontou a necessidade de um pneu satisfazer algumas exigências complexas: reduzir a resistência ao rolamento e, com isso, permitir que os veículos gastem menos combustível por quilômetro percorrido, além de garantir simultaneamente a segurança dos seus ocupantes em pista molhada, proporcionando frenagens em espaço mais curto. A combinação de negros de fumo adequados nas misturas de borracha usadas nas diferentes partes do pneu consegue alcançar os objetivos desejados.

    Cada parte do pneu apresenta diferentes necessidades, desde suportar o aumento da temperatura, ou a fricção, ou ainda melhorar a adesão do material, ou a sua flexão. “Um pneu contém, em média, de 30% a 35% de seu peso em negro de fumo, e cada um carrega não menos que cinco tipos diferentes desta carga”, salientou Rodrigues, evidenciando a complexidade envolvida. A mistura de tipos diferentes de negros de fumo também gera sinergias que resultam em melhores propriedades do produto final, como explicou.

    Ele comentou que a indústria, nessa perspectiva, solicita o desenvolvimento de novos produtos, mas quer introduzi-los sem afetar seu processo produtivo. “Isso é um desafio para nós, porque geralmente os negros de fumo que melhoram as propriedades desejadas também exigem mais esforços para serem incorporados de maneira completa e uniforme à massa”, considerou Rodrigues.

    Quanto menor o tamanho das partículas da carga, elas têm ampliada sua área superficial. “Os tratamentos de superfície, efetuados nos produtos especiais, compensam essa perda de capacidade de dispersão”, explicou. Com isso, é possível satisfazer tecnicamente os clientes, sem afetar sua produtividade industrial.

    Com o objetivo de manter um fluxo constante de desenvolvimentos, a Birla Carbon procura intensificar o relacionamento entre os clientes e os pesquisadores da companhia, instalados na Índia e em Marietta (Geórgia, EUA). A unidade de P&D indiana conta com mais de cem PhDs.

    Rodrigues explica que a formulação final da borracha é um segredo industrial de cada cliente. Dessa forma, o desenvolvimento de novos tipos de negro de fumo depende de intensa troca de informações. “Fazemos desenvolvimentos específicos, mediante acordo de confidencialidade, garantindo proteção aos segredos dos clientes, e de exclusividade no uso da inovação”, informou.

    O vice-presidente regional da Birla Carbon salienta que o consumo dos grades convencionais para pneus, classificados conforme a norma ASTM, mantém-se com participação relevante no faturamento da companhia. “Porém, a velocidade de adaptação às novidades é altíssima”, disse Rodrigues. “Com isso, a migração dos convencionais para os especiais é rápida.”

    A Birla oferece ao mercado cerca de 15 tipos de negro de fumo ASTM. Quatro deles são os mais consumidos: os Statex N220, N339, N550 e N660. Além deles, os Statex N326 e N330 possuem demanda garantida. Já a linha de produtos especiais é muito mais ampla e vai crescer, mediante as demandas apresentadas pela indústria de pneumáticos.

    O consumo nacional no setor de borracha é atendido na sua maior parte, referente aos tipos ASTM, pela fabricação local da Birla, com unidades instaladas em Cubatão-SP e em Camaçari-BA. Quando necessário, a companhia disponibiliza produtos de suas outras 15 fábricas espalhadas pelas maiores regiões industriais do mundo. “A interação entre as fábricas da companhia é intensa, com troca de informações e de produtos”, comentou. Alguns de seus clientes possuem contrato de suprimento global, exigindo qualidade idêntica dos materiais adquiridos.

    Nos artefatos de borracha, especialmente os automotivos, a maior exigência dos clientes se refere à pureza da carga. “É um setor que tem um bom consumo de negros especiais, embora os tipos ASTM ainda sejam utilizados”, avaliou.


    Página 1 de 41234

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *