Papel e Celulose

15 de novembro de 2009

H2O2 – Celulose garante expansão da oferta de peróxido de hidrogênio enquanto despontam novos usos

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Fairbanks
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Química e Derivados, H2O2, Peróxido de hidrogênio

    O

    branqueamento de celulose é o motor do mercado de peróxido de hidrogênio na América do Sul. Favorecida pelo clima e pela disponibilidade de terra, a região conta com uma robusta carteira de novos projetos e ampliações desse setor com potencial para duplicar a demanda pelo insumo químico em pouco mais de dez anos.

    Além da celulose, outros usos para o peróxido de hidrogênio começam a ganhar corpo. O de potencial mais atraente está na área de tratamento de água e de efluentes, tanto domésticos quanto industriais. Aplicações em processos químicos, como poderoso agente oxidante e na epoxidação de óleos vegetais, respondem pelo segundo maior consumo do peróxido no Brasil, mas devem ser superadas pelo setor ambiental. A indústria têxtil, que foi a razão para a instalação da primeira fábrica brasileira em 1970, não apresenta crescimento de consumo – baixo, aliás, em relação aos demais segmentos. O mesmo se verifica no uso mais popular, para descolorimento de pelos humanos, um volume insignificante quando comparado à demanda industrial.

    Química e Derivados, Georges Crauser, Diretor-geral da Peróxidos do Brasil, H2O2, Peróxido de hidrogênio

    Georges Crauser prevê para 2012 uma nova ampliação em Curitiba

    “Há aplicações, em grande número, como na indústria de alimentos, que ainda precisam ser desenvolvidas”, comentou Georges Crauser, diretor-geral da Peróxidos do Brasil, empresa gerida pela Solvay, que detém 49% de seu capital votante e 70% do total, desde a compra da participação da Laporte, em 1992. A fábrica de Curitiba-PR concluiu em junho uma expansão de capacidade produtiva de 40 mil t/ano, elevando a capacidade total de 120 mil para 160 mil t/ano (em base seca).

    O potencial para desenvolvimento de negócios gera entusiasmo pelo baixo impacto ambiental da sua utilização. “Não há nada melhor do que um produto que se decompõe em água e oxigênio”, disse Roberto Nascimento, diretor-comercial da companhia. Ele explicou que o mercado segue um caminho de substituições de insumos, começando pelos cloroderivados, passando pelo oxigênio, ouro, ozônio e, finalmente, o peróxido de hidrogênio. A sequência avança de acordo com exigências técnicas, ambientais e econômicas. “Atualmente, o peróxido compete em igualdade com o cloro em termos econômicos e estequiométricos”, afiançou Nascimento.

    A adoção de peróxido de hidrogênio nas sequências de branqueamento de celulose sem cloro elementar (ECF/ ECF light) e totalmente sem cloro (TCF) motivou a instalação da fábrica da Evonik Degussa em Barra do Riacho-ES, vizinha da unidade da Aracruz Celulose (hoje Fibria, resultado da integração com a Votorantim Celulose e Papel – VCP). A operação começou em 1998, com 40 mil t/ano, ampliada para 55 mil t/ano em 2003, e novamente expandida em 2008 para 70 mil t/ano (em base seca), sua capacidade atual.

    “Apesar da crise mundial, mantemos nosso prognóstico de crescimento de mercado de peróxido na América do Sul em torno de 7% ao ano, isso implica duplicação da demanda em dez anos”, calculou Ralph Ahlemeyer, diretor de negócios da unidade de químicos industriais da Evonik Degussa para a América do Sul. A companhia havia anunciado uma nova fábrica do peróxido para a Região Sul, atendendo à demanda de novos projetos do setor de celulose, mas a suspendeu. “Estamos aguardando para ver o que os clientes farão e em que ritmo para definirmos nossos investimentos”, comentou.

    A avaliação comum dos produtores é a redução de preços no mercado interno nos últimos meses, atestando a acirrada competição entre os players. “Com uma produção maior em uma única linha de produção, conseguimos aumentar nossa competitividade”, afirmou Crauser. Mesmo nos preços atuais, o diretor da Peróxidos disse ser possível manter a geração de caixa para investimentos futuros.

    Química e Derivados, Fábrica de Perióxidos, H2O2, Peróxido de hidrogênio

    Fábrica de Perióxidos do Brasil cresceu 40 mil t/ano

    Crauser avaliou que a crise econômica mundial gerou um impacto que pode ser traduzido como a perda de um ano de evolução de mercado. “Nossa ampliação de 40 mil t/ano, por exemplo, levaria três anos para ser absorvida pelo crescimento da demanda, que foi retardado em um ano”, disse. Mesmo assim, ele é otimista, pois considera inevitável a transferência da produção de celulose para a América do Sul. “Estimamos que em 2012 será a hora certa para nova ampliação, chegando a 200 mil t/ano”, afirmou.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next