Gases

11 de fevereiro de 2002
 

Gases Industriais: Fornecedores aprimoram serviços e disputam os nichos de mercado

Mais artigos por »
Publicado por: Domingos Zaparolli
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Com o objetivo declarado de agregar mais valor aos produtos, fabricantes de gases querem resolver os problemas dos clientes

    Química e Derivados: Gases: Crise energética impôs redução de atividades.

    Crise energética impôs redução de atividades.

    U

    ma silenciosa revolução está em curso no mercado brasileiro de gases industriais. As empresas do setor, que por muito tempo no Brasil trataram seus produtos como commodities, estão reestruturando suas estratégias. Agregar valor é o novo conceito-chave que rege esse mercado.

    Murilo Melo, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da White Martins, chega a ser irônico: “Quem ainda opera como se vendesse commodity morreu e não sabe”, diz.

    Esse movimento no setor de gases industriais tomou corpo no Brasil como decorrência da abertura econômica na última década. Para ganhar competitividade e concorrer com fornecedores globais, as empresas dos mais diversos setores precisaram investir em ganho de produtividade, exigindo mais qualidade dos fornecedores de insumos. Além disso, as empresas passaram a dedicar toda a atenção às suas atividades principais, contratando de terceiros produtos e serviços nas áreas de apoio. É no rastro dessas mudanças que surgiram as novas oportunidades de negócios para as indústrias do gás. Também, a nova configuração do mercado de gases industrias é decorrente de uma série de investimentos realizados recentemente: sete novas unidades produtivas tiveram partida nos últimos cinco anos, consumindo investimentos de US$ 600 milhões, o que resultou, no início de 2002, em uma capacidade produtiva de 17,5 mil toneladas/dia de gás.

    Os principais investimentos, porém, envolveram não apenas aumento da capacidade produtiva, mas também alterações no controle acionário de algumas empresas desse segmento de atividade. A sueca AGA, por exemplo, foi adquirida em 2000 pelo grupo alemão Linde. Já a francesa Air Liquide, após decidir na última década dedicar maior importância estratégica à sua unidade brasileira, ampliou ainda mais sua presença no mercado ao absorver em 2001 as subsidiárias da Messer no Brasil e em outros cinco países. AGA e Air Liquide passaram a disputar acirradamente a segunda posição do mercado brasileiro.

    Química e Derivados: Gases: gas1Cada uma, com uma participação estimada entre 15% e 20% (Não há números independentes sobre o setor e a soma de participação anunciada por cada player é maior que 100%). Além de brigarem entre si, as duas empresas almejam uma parcela do mercado atendido hoje pela líder, a White Martins, do grupo norte-americano Praxair, com participação superior a 60%, Enquanto a também norte-americana Air Products ocupa o quarto posto, com quase 8% do bolo e planos de crescimento.

    Tudo indica que 2002 será o ano de teste das novas estratégias de cada player no mercado brasileiro, uma vez que já houve tempo para amadurecer os investimentos realizados e a crise de energia que comprometeu em 2001 o desempenho do setor – que é eletrointensivo – ficou para trás. O ano de 2002, pelo contrário, dá sinais que poderá ser bastante promissor para as companhias de gases industrias. “Na verdade, as consultas de clientes realizadas nos dois primeiros meses do ano superaram todas nossas expectativas”, diz o gerente da área química da AGA, Sérgio Araia. O negócio de gases industriais movimenta no Brasil cerca de US$ 800 milhões.

    Os executivos do mercado de gases industriais costumam dizer que o setor cresce, em média, uma vez e meia o PIB. Como a maioria das estimativas aponta uma evolução ao redor de 2,5% do PIB brasileiro, as indústrias de gases trabalham com uma projeção de crescimento vegetativo na casa dos 4% em seu mercado.

    Química e Derivados: Gases: Melo - investimentos também na área de aplicação de gases.

    Melo – investimentos também na área de aplicação de gases.

    Os segmentos apontados como os que devem impulsionar esse crescimento são principalmente os exportadores, como siderúrgicos, alimentos industrializados, papel e celulose e as indústrias do complexo metal-mecânico. Além disso, é esperado um incremento dos investimentos na indústria de exploração e refino de petróleo, decorrentes da abertura dessa área ao capital estrangeiro. No segmento petroquímico, a expectativa é de grande alavancagem nos negócios com os preparativos para a entrada em operação em 2003, da Rio Polímeros, o pólo petroquímico que está sendo construído em Duque de Caxias-RJ com investimentos estimados em US$ 1,1 bilhão. A demanda na área de saúde, principalmente a ligada à prática do home care; os investimentos na produção de remédios genéricos e os projetos de tratamento de efluentes industriais completam a lista de setores com demanda aquecida no ano.

    A ordem é crescer – a estratégia das empresas de gases industriais, porém, consiste em aumentar o faturamento acima das possibilidades oferecidas pelo crescimento vegetativo do mercado. Para isso, pretendem agregar valor aos seus produtos básicos. Sentindo o novo fôlego dos concorrentes, a líder White Martins é a que mais radicalizou em suas apostas. A empresa pôs em prática em 2001 um cronograma de investimentos que somaram US$ 100 milhões e o plano, revela Murilo Melo, é de repetir a dose neste ano. Parte dos recursos aplicados no ano passado tiveram como destino o aumento da capacidade produtiva. A empresa incorporou ao seu parque uma fábrica em Americana-SP com capacidade para 400 toneladas/dia, outra em Joinvile (SC), também capaz de produzir 400 toneladas/dia. Uma unidade em Manaus-AM de 100 toneladas/dia e outra on site, na Cosipa, Cubatão-SP, com 1.100 toneladas/dia completam os investimentos em novas unidades.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página






      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next