Notícias

28 de outubro de 2013

Gases do ar: Separadora da Linde em Curitiba parte em abril

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Fairbanks
+(reset)-
Compartilhe esta página
    A

    mais recente unidade de produção de gases do ar da Linde no Brasil está sendo construída em Curitiba-PR, com inauguração prevista para o início de abril de 2014. A companhia investe € 50 milhões nesse projeto, situado no terreno da Peróxidos do Brasil (Grupo Solvay), que será sua maior cliente de oxigênio. A unidade terá capacidade para suprir essa demanda, com sobra do gás, além do nitrogênio e do argônio, para atender outros clientes na Região Sul.

    Química e Derivados, Karlson: health care compensa queda das vendas para clientes industriais

    Karlson: health care compensa queda das vendas para clientes industriais

    “Atualmente, atendemos a região com gases produzidos nas nossas separadoras de São Paulo e do Rio de Janeiro, com alto custo de transporte”, comentou Magnus Karlson, gerente geral da Linde Brasil. Ele salienta que essa será a primeira separadora de gases do ar do Estado do Paraná e melhorará a competitividade da companhia em toda a região, que conta com fábricas das concorrentes Air Liquide e Praxair, ambas em terras gaúchas.

    A unidade de Curitiba terá capacidade de produzir entre 200 e 250 t diárias de gases. Com isso, ela se situa como uma das maiores da companhia no Brasil, perdendo apenas para as instalações de Cubatão e do Rio de Janeiro, esta inaugurada em 2009, substituindo a anterior. A fábrica de Camaçari-BA, concluída em 2010, é menor que a paranaense.

    A estratégia de negócios em gases se beneficia da existência de grandes clientes, com demanda capaz de justificar a instalação de uma fábrica de separação criogênica, oferecendo gases em alto volume e elevada pureza. A indústria siderúrgica, com elevado consumo de oxigênio, foi uma forte impulsionadora da instalação dessas unidades, assim como os polos petroquímicos, mais interessados em nitrogênio para inertização de tanques.

    Karlson explicou que o negócio de gases pode ser dividido em quatro categorias: a dos grandes clientes; a dos clientes que possuem tanques próprios de armazenagem (bulk); a dos compradores de cilindros; e o segmento de health care (medicinal).

    “Estamos verificando um grande crescimento da demanda pelos gases medicinais, motivo que nos leva a desenvolver novas formas de atuação”, explicou o gerente geral. A Linde comprou, em 2012, uma empresa norte-americana especializada em gases medicinais para home care, uma forma de terceirização de serviços de saúde municipais. Karlson explica que a tendência atual, nos Estados Unidos e Europa, é mandar os pacientes para casa o mais rapidamente possível, fugindo de infecções hospitalares e proporcionando mais conforto para pacientes, muitos deles crônicos. “Isso exige desenvolver uma logística adequada para a entrega oportuna de cilindros ou a instalação de concentradores móveis, dependendo do caso”, afirmou.

    Na Europa, a companhia criou estruturas para receber pacientes que deixam as unidades de terapia intensiva de hospitais, uma etapa antes de voltar para casa. “São como clínicas de recuperação, oferecemos leitos, enfermagem e acompanhamento médico, tudo sob responsabilidade da Linde, que também fornece os gases necessários”, explicou. Além da Europa, ele informou que a companhia está desenvolvendo um projeto semelhante na Colômbia, com bons resultados.

    Karlson informou que o faturamento com gases medicinais está crescendo a uma taxa anual de dois dígitos, inclusive no Brasil. “O bom desempenho desse segmento ajuda a compensar a baixa atividade industrial no país”, informou. Mesmo assim, as vendas para clientes industriais representam entre 75% e 80% do faturamento no Brasil, complementado por 25% a 20% dos negócios medicinais.

    Tanto o setor farmacêutico quanto o medicinal estão se adaptando às mais recentes normas da agência americana de alimentos e medicamentos (FDA), com reflexos já notáveis nas normas brasileiras. “As exigências de boas práticas de produção e rastreabilidade são crescentes, impondo um esforço maior de documentação”, avaliou.

    O mercado nacional de gases industriais vive um período de baixa, iniciado em setembro de 2011, segundo o gerente geral, explicado pela queda da atividade industrial. O setor siderúrgico foi um dos que tiveram os piores desempenhos, ao lado das indústrias química e petroquímica. As aplicações metalúrgicas, em especial o corte e a solda de chapas, mantêm-se em bom nível, puxadas pelo setor automotivo. Têm bons resultados, embora sejam relativamente pequenos em volume, os usos de oxigênio em sistemas de tratamento de água e de efluentes, ainda recentes no país.

    Grande cliente de oxigênio, o setor de celulose amarga uma baixa no mercado internacional, embora novas unidades de produção ainda estejam sendo construídas no Brasil. “Infelizmente, essas unidades se situam muito longe dos centros de consumo de outros gases e não viabilizam consumos complementares por parte de terceiros”, comentou.


    Página 1 de 212

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next