Alimentos & Bebidas

19 de julho de 2007

Fispal Tecnologia – Feira de tecnologia para alimentos aproveita alta no consumo para mostrar soluções integradas

Mais artigos por »
Publicado por: Rose de Moraes
+(reset)-
Compartilhe esta página
    A

    s boas perspectivas para o setor de alimentos em 2007 foram confirmadas pela ampla participação de expositores nacionais e internacionais na 23ª Fispal Tecnologia. A Feira Internacional para o Desenvolvimento das Indústrias de Alimentos e Bebidas, realizada de 12 a 15 de junho, em São Paulo, no pavilhão de exposições do Anhembi, pela Agência Internacional Privada de Desenvolvimento do Mercado de Alimentos, contou neste ano com o patrocínio da CPN Resinas Plásticas, Bericap, Suzano Papel e Celulose e Suzano Petroquímica.

    O diretor da Fispal, Marco Antonio Mastrandonakis, é o primeiro a reconhecer as oportunidades oferecidas pelas novas tecnologias e processos aos participantes do evento: “Os visitantes da 23ª Fispal Tecnologia têm a oportunidade de participar dessa grande central de soluções integradas, que oferece contribuição decisiva para o desenvolvimento do setor, e que reúne equipamentos, processos, serviços, embalagens, simpósios, rodadas de negócios e inúmeras outras opções para o contato com clientes, fornecedores e compradores de cerca de 50 países, numa mostra neste ano 10% maior do que a realizada em 2006.”

    Reator para escalas-piloto – O lançamento de reator intensivo multipropósito, voltado a promover reações químicas em escalas-piloto, foi uma das grandes novidades tecnológicas apresentadas na 23ª Fispal. Desenvolvido pela Semco, o projeto do novo reator polifásico (DVT) promove reações ácidas e básicas, visando à obtenção de matérias-primas para uso nos mais diversos setores industriais.

    Seu uso permite que os materiais para processamento possam ter as mais variadas composições, passando das fases líquida para pastosa, líquida para granulada e líquida para pó. O equipamento também oferece opção para operar tanto sob pressão quanto por vácuo, apresentando efetiva capacidade para realizar trocas térmicas de aquecimento ou resfriamento.

    No rol das aplicações típicas, voltadas às indústrias alimentícias, farmacêuticas e químicas, o fabricante relaciona a alcalinização de nibs de cacau, celulose e derivados, maltodextrina, caboxi metil (CMC), bulk molding compound (BMC) e sheet molding compound (SMC).

    A grande versatilidade do equipamento é confirmada por um dos responsáveis pela sua fabricação: “Com esse reator é possível obter cadeias de polímeros, matérias-primas para as indústrias de plásticos, princípios ativos, realizar extrações de resinas, aromas e fragrâncias, e também inocular um princípio ativo para transformálo em medicamento”, exemplificou o engenheiro de vendas Ilio Pellegrino, responsável técnico por essa área na Semco.

    De acordo com ele, outra característica interessante é a existência de ambiente esterelizador inerte, submetido a altíssimas pressões, até 25 bar, e temperaturas, entre 125°C e 150°C, no caso de operar com vapores, podendo alcançar até 350°C, ao se empregar óleo térmico.

    As operações previstas, segundo frisou, estão em sintonia com o princípio de leito fluidizado mecanicamente, dentro do qual os materiais para as reações são mantidos em estado de fluidização mecânica, o que permite que o meio reagente, gás-sólido ou líquido-sólido, mantenha0 contato permanente entre si e com a superfície de troca térmica.

    Seus componentes, totalmente nacionais, abrangem câmara de mistura horizontal, dentro da qual está instalado um eixo com o elemento de mistura e de troca térmica, havendo também opção para se instalar um segundo elemento de mistura, como um intensificador, visando a promover a interação da fase líquida com a fase sólida.

    As motorizações com motorredutores também foram concebidas especificamente para áreas classificadas (sujeitas a explosões e incêndios), havendo ainda válvulas especiais para os trabalhos em condições de pressão de 25 bar. O equipamento conta com filtros específicos para operar com produtos que liberam gases ou finos e com selos mecânicos para vedação em todos os eixos.

    Até ser concretizado, o reator demandou cerca de oito meses de dedicação dos profissionais da Semco. Três equipamentos foram encomendados pelas indústrias durante a 23ª Fispal Tecnologia, o que mobiliza boas expectativas de vendas: “Reunimos, hoje, condições para executar projetos desse tipo ao mercado em vinte dias e fabricar o equipamento completo no prazo de 120 até 150 dias”, calculou Pellegrino.

    Química e Derivados, Fispal Tecnologia - Feira de tecnologia para alimentos aproveita alta no consumo para mostrar soluções integradas

    Reator multipropósito sob pressão ou vácuo

    Além da grande conveniência de realizar reações em escala laboratorial, as indústrias do setor de alimentos, segundo o engenheiro, também convivem no seu dia-a-dia com necessidades voltadas à secagem e à granulação de produtos alimentícios, buscando alterar a forma de ingredientes, em geral apresentados em pó, para alcançar resultados de melhor fluidez e maior facilidade de manuseio.

    A granulação no setor, segundo observou Pellegrino, envolve o pó a granular, pequenas quantidades de ativos e um agente aglomerante, normalmente líquido, que manterá os componentes aglomerados, evitando sua segregação. “O tamanho e a uniformidade dos grãos dependem da ação de mistura, tamanho das partículas dos componentes, tipo de aglomerante utilizado e grau de dispersão a ser atingido durante o processo de mistura e granulação.”

    “Normalmente, a indústria alimentícia utiliza equipamentos distintos para promover a mistura e a dispersão dos pós para posterior granulação, mas diversos problemas surgem em virtude desse tipo de procedimento, pois cada etapa irá requerer tanques separados, processos de limpeza e assepsia, além de validação regulatória dos agentes de inspeção. A granulação em vários estágios não é eficiente, pois, em geral, o processo ocorre sem que haja repetibilidade consistente, tendo que se peneirar o produto final para se remover grãos não uniformes, e enfrentar baixo rendimento.” Repetibilidade do processo e alto rendimento, segundo acentuou, somente são alcançados com a operação de equipamentos de granulação específicos.


    Página 1 de 41234

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next