Tintas e Revestimentos

15 de maio de 2011

Equipamentos para Tintas – Demanda firme também nos usados

Mais artigos por »
Publicado por: Antonio C. Santomauro
+(reset)-
Compartilhe esta página

    T

    ambém no segmento dos equipamentos reformados está atualmente consolidada a tendência de aquisição de plantas de produção completas e integradas, relata José Pereira Cavalcanti, diretor-presidente da Jemp (empresa que entre suas atividades inclui a compra de máquinas usadas, inclusive plantas e linhas inteiras desativadas, para reforma e posterior revenda). “No nosso caso, podemos complementar eventuais lacunas em um sistema reformado com equipamentos de nossa fabricação”, acrescenta o diretor da Jemp, também produtora de tanques, reatores e misturadores.

    Segundo ele, após alguma estagnação de vendas nos últimos três anos, o mercado de equipamentos para tintas voltou a aquecer, e sua participação nas vendas da Jemp deve se elevar dos 30% de 2010 para algo entre 35% e 40%. “Os equipamentos mais procurados são os utilizados no processo de mistura, moagem e dispersão, como os tanques dispersores; as masseiras destinadas à fabricação de texturas, massa corrida e tintas; os reatores e os tanques de mistura utilizados para as tintas látex, vernizes, seladoras, adesivos; e também os moinhos utilizados para via úmida”, detalha Cavalcanti.

    Revista Química e Derivados - José Pereira Cavalcanti, diretor-presidente da Jemp

    Cavalcanti fabrica itens para completar sistemas

    Ele afirma notar atualmente no mercado de tintas tanto o surgimento de novos fabricantes quanto a ampliação da capacidade de produção – com o lançamento de novos produtos – em empresas de médio e grande porte. E, ao menos no caso específico da Jemp, crescem hoje mais acentuadamente as vendas de equipamentos reformados: “Eles chegam a ter preços entre 30% e 50% inferiores aos dos equipamentos novos, e nós oferecemos todas as garantias e toda a qualidade”, enfatiza Cavalcanti. “Embora esse gênero de equipamento seja mais demandado por novas e pequenas empresas, ou por empresas médias interessadas em ampliar sua capacidade de produção, também grandes multinacionais adquirem equipamentos seminovos conosco”, finaliza.

     



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *