Calor Industrial

7 de dezembro de 2001

Combustível: Gás natural desloca óleos do aquecimento industrial

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Fairbanks
+(reset)-
Compartilhe esta página

    Vantagem econômica e ambiental provoca a conversão de equipamentos, enquanto óleos pesados apostam no consumo das termoelétricas

    A

    partir de 1° de janeiro deste ano, o mercado nacional de combustíveis ingressou em nova etapa de organização, com destino a incentivar o livre mercado. O ponto marcante da nova estratégia é a retirada completa do controle oficial sobre os preços dos combustíveis, agora sujeitos à livre-negociação entre fornecedores e clientes. A própria Agência Nacional do Petróleo (ANP) admite que, no primeiro momento, dada a falta ou incipiência de concorrentes de porte, a Petrobrás, empresa de controle estatal, exercerá monopólio de fato. A agência adverte, no entanto, a possibilidade de aplicar medidas punitivas contra práticas desleais de concorrência.

    Na prática, os consumidores passaram a pagar mais caro pelo gás liqüefeito de petróleo (GLP), que deixou de contar com o subsídio custeado por um percentual aplicado na venda da gasolina automotiva. A existência desse subsídio se justificava pela importância social do GLP, evidenciada pela sua designação mais comum de “gás de cozinha”. Desde 1995, o uso industrial do GLP tem sido aos poucos liberado e estimulado, principalmente por preservar o meio ambiente, substituindo os óleos combustíveis, caracterizados pelo teor de enxofre elevado. Na ressaca do revéillon, todos os consumidores de GLP foram brindados com aumento entre 7% e 9%.

    Nesse cenário, o gás natural vai se firmando como o combustível industrial por excelência, combinando facilidade de uso, disponibilidade e resultados ambientais favoráveis. A oferta do gás boliviano permitiu desenvolver a rede de distribuição na região Sudeste e Centro-Oeste, além de estimular o melhor aproveitamento das reservas das bacias litorâneas de Campos (RJ) e Santos (SP). Consumidores dos óleos dos tipos mais leves (até 3A ou 4A, dependendo do caso) contam com estímulo ecológico para converter seus queimadores. A pressão de substituição atinge também consumidores de GLP, cujas distribuidoras se mostram criativas para a abertura de novos mercados.

    Gás contra gás – Ambos surgiram como atenuadores da poluição atmosférica, de modo a substituir o uso de óleos combustíveis. No começo, a baixa disponibilidade do gás natural favoreceu o uso do GLP em processos industriais nos quais se obtivesse ganho de qualidade significativo. Dessa forma, a indústria cerâmica, tanto de pisos e azulejos como a de porcelanas, se destacaram na conversão de fornos.

    “Resíduos de óleo no ar aquecido por fogo direto provocavam manchas e pontos pretos indesejáveis nos produtos, desvalorizando-os”, comentou Gustavo Guimarães, presidente da ShellGás na América do Sul. “Com o GLP esse problema foi eliminado”. Atualmente, a ShellGás, que pode ser considerada novata no mercado nacional, atuando nele desde 1997 contra concorrentes cinquentenários, alicerçada por forte experiência internacional, já detém entre 12% e 13% do mercado de GLP para indústria e comércio. “Atendemos a mais de 22 segmentos industriais diferentes, de secagem de grãos a produtos eletrônicos”, disse.

    Os gases combustíveis apresentam vantagens de sobra contra os líquidos, pastosos e sólidos. As linhas de alimentação dispensam periféricos complexos, enquanto os óleos podem exigir aquecimento para alcançar a viscosidade adequada para circulação e queima. Além disso, a queima é mais uniforme, controlada com facilidade. Livres do enxofre, esses combustíveis são menos agressivos aos equipamentos térmicos, prolongando sua vida útil e reduzindo as paradas para limpeza e manutenção. Também por causa do enxofre é freqüente encontrar equipamentos operando a temperaturas superiores às ideais, lançando para a atmosfera gases muito quentes, implicando desperdício de energia. Isso é feito para evitar a condensação de vapores sulfúricos nas chaminés, responsáveis por corrosão.

    Química e Derivados: Combustível: Macedo - regras do gás têm falhas.

    Macedo – regras do gás têm falhas.

    O aumento da oferta de gás natural, a partir da construção do gasoduto Brasil-Bolívia, mexeu com o equilíbrio do setor. “O mercado brasileiro consome aproximadamente 26 milhões de m³/dia, dos quais de 9 milhões a 10 milhões são trazidos da Bolívia”, afirmou Leopoldo Macedo Neto, coordenador técnico da Associação Brasileira da Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás).

    A produção nacional do gás chega a 40 milhões de m³/dia, em grande parte reinjetada nos poços para permitir a retirada do petróleo.

    Porém há grande volume aproveitável. Fora essa fonte, há o gás argentino, de Neuquén, que já pode entrar no Brasil ou pela Bolívia (usando o gasoduto existente) ou pelo Rio Grande do Sul (gasoduto em construção), ou por ambas.

    Há também projeto para reforçar a oferta de gás natural na região Nordeste com suprimento oriundo da Venezuela, onde o produto seria liqüefeito por compressão, de modo a reduzir o custo de transporte. No Brasil, o gás seria expandido no porto cearense de Pecém e injetado no gasoduto chamado Nordestão. “Esse gás chegaria ao consumidor a preço internacional, por volta de US$ 4,20 por milhão de BTU, talvez até por menos, algo como US$ 3,90”, comentou Macedo. O problema atual é alavancar investimentos na cadeia do frio. A expansão do gás absorve calor, permitindo resfriar grandes volumes de fluidos, com uso possível na conservação de alimentos e processos industriais diversos. “Seria uma forma de compensar o gasto energético da etapa de compressão, reduzindo custos”, explicou.


    Página 1 de 512345

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next