Farmácia e Biotecnologia

6 de fevereiro de 2011

Biotecnologia – Tecnologia reduz custo em análises do genoma

Mais artigos por »
Publicado por: Rose de Moraes
+(reset)-
Compartilhe esta página

    D

    esvendar o código genético dos organismos vivos não é mais uma possibilidade remota e de altíssimo custo. Unindo técnicas e equipamentos mais avançados, tornou-se possível identificar sequências genéticas em amostras de sangue, saliva, esperma, penas, pelos etc. em dois a três dias, e concluir análises em pouco mais de uma semana, com menor custo, incentivando novas pesquisas com aplicação em vários setores, da medicina à exploração de petróleo.

    Os genes, cada ser humano possui entre 30 mil e 40 mil deles, são fragmentos de DNA com cerca de 3 bilhões de pares de bases nitrogenadas (nucleotídeos), compostas por quatro moléculas básicas – adenina, citosina, guanina e timina. Apesar de a estrutura primordial ser a mesma, as combinações, formatos e dimensões moleculares variam, individualizando cada ser.

    “Hoje, com todo o conhecimento que já reunimos e com o mapeamento genético de animais e plantas, conseguimos consolidar avanços em curto espaço de tempo e podemos selecionar espécies de animais e vegetais mais adaptadas, muito rapidamente”, afirmou Jefferson Santos, diretor comercial da Helixxa, empresa especializada em serviços genômicos.
    Fundada há poucos meses em Campinas-SP, no Centro Tecnológico Tecno-Park, a empresa se destaca no campo da biotecnologia baseada em genômica, e também presta serviços em análises de DNA (ácido desoxirribonucleico) e de RNA (ácido ribonucleico). Entre as suas competências, promove investigações sobre polimorfismo de um único nucleotídeo (SNP), podendo identificar variações nos pares de bases do DNA (ACGT) da sequência genética, passíveis de afetar o funcionamento ou a expressão dos genes – com a finalidade de embasar marcadores genéticos e sequenciamentos completos de genomas.

    Seus dois sócios contam com larga experiência em biologia molecular e na área empresarial. O professor João Bosco Pesquero é doutor em biologia molecular pela Universidade Federal de São Paulo e pós-doutorado em biologia molecular pela Universidade de Heidelberg e também pelo Instituto Max-Delbrück para Medicina Molecular de Berlim, Alemanha. O químico Mario A. de Oliveira Júnior possui vinte anos de experiência em gestão empresarial em organizações de grande porte, como a Unilever.

    Marcadores genéticos – A técnica dos marcadores genéticos das moléculas de DNA tornou mais simples identificar os genes, por exemplo, associados a doenças em animais e pragas nas lavouras, para antecipar diagnósticos e terapias, além de selecionar animais e plantas geneticamente superiores ou com características economicamente mais interessantes, oferecendo suporte a medidas mais efetivas de controle biológico de pragas.

    Química e Derivados, biotecnologia, Mario A. de Oliveira Júnior e João Bosco Pesquero - Helixxa - Campinas-SP

    Oliveira e Pesquero (dir.): marcadores genéticos

    “Com marcadores genéticos podemos melhorar, por exemplo, a qualidade de rebanhos ao ressaltar características fenotípicas mais marcantes, como a taxa de gordura presente na carne, ou a docilidade do animal, uma característica importante para o manejo do gado, ou ainda a quantidade de leite e a sua qualidade proteica”, informou Pesquero. Uma das primeiras investigações realizadas pela Helixxa, em maio de 2010, levou os pesquisadores a definir marcadores genéticos para apoiar a seleção de reprodutores e matrizes, entre outros objetivos, em rebanhos de corte e de leite, a pedido da Embrapa.

    A empresa também desenvolveu e validou marcadores genéticos para identificar variedades mais produtivas de café, e também mais tolerantes às variações climáticas e resistentes a pragas. “Podemos identificar, por meio dos marcadores, variedades genéticas mais adaptadas a determinados tipos de clima ou solo, para permitir o plantio em regiões inusuais, como o Nordeste, com bom rendimento, reduzindo custos aos produtores”, informou Santos. O Brasil já contava com o sequenciamento do cafeeiro desde 2004, fato que ajudou essa pesquisa. O cacaueiro também está sendo estudado.

    “Depois de definidos os marcadores genéticos, com potentes sequenciadores de DNA e de equipamentos de leitura de micro-arrays, que permitem realizar ensaios pré-desenhados para análises de expressão gênica, podemos fazer uma seleção assistida dos nossos alvos de estudo com grande flexibilidade técnica e a custos moderados”, explicou Santos.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next