Sem categoria

18 de novembro de 2010

Atualidades – Tintas – Programas sociais incentivam consumo de imobiliárias no NE

Mais artigos por »
Publicado por: Jose Valverde
+(reset)-
Compartilhe esta página
    A

    julgar pelas percepções dos três maiores fabricantes de tintas imobiliárias instalados no Nordeste – Basf (Suvinil), Iquine, e Akzo Nobel (Coral) –, as atividades de suas empresas, todas instaladas em Pernambuco, tendem a uma fase de expansão acelerada, já certificada pela própria decisão de se expandirem em percentuais acima dos cogitados para as fábricas que mantêm em outras regiões.

    Executivos das três fábricas atribuem essa expansão percentualmente maior no consumo de tintas, em relação ao consumo no Sul e Sudeste, em especial aos efeitos das políticas de transferência de renda. Seguidos aumentos reais no salário mínimo e os efeitos desses aumentos nas pensões e aposentadorias das famílias de renda mais baixa, que no Nordeste têm maior relevância, são fatores destacados nas análises referentes à expansão do consumo e bem-estar na região. Programas como o Bolsa Família apenas estariam contribuindo adicionalmente para esta expansão.

    Os executivos se referem, também, aos efeitos dos investimentos na formação da renda, principalmente em razão dos que estão em curso em Pernambuco, a exemplo do Polo Naval, das iniciadas construções da Refinaria Abreu e Lima e da Petroquímica Suape; e também à construção do trecho da BR 101 entre Natal-RN e Palmares-PE. “O que vemos em Pernambuco é algo que deve ser levado em consideração”, reconhece o diretor de marketing da Iquine, Alan Souza.

    Pela Suvinil, o gerente de marketing para o Nordeste, Abraão Costa, enfatiza também o crescente efeito causado por projetos anteriormente implantados, como o polo irrigado de fruticultura nos municípios de Juazeiro-BA e Petrolina-PE, situados em margens opostas do Rio São Francisco; e o programa Minha Casa Minha Vida. Esse programa habitacional estaria elevando em 80 milhões de litros o consumo nacional de tintas e, nesse bolo, a elevação correspondente ao Nordeste estaria sendo de um a dois pontos percentuais a mais, em relação ao Sul e Sudeste. Referindo-se à produção e vendas de sua fábrica, instalada no município de Jaboatão dos Guararapes-PE, assegura: “Nos recentes cinco anos, nosso crescimento na região extrapolou a média nacional.”

    Para o gerente da fábrica da Akzo Nobel em Recife, Frederico Gonçalves, a própria expansão do PIB dos estados nordestinos explica o que está ocorrendo. “Hoje há uma busca maior por tinta líquida, em razão do aumento do poder de compra das classes C e D, que antes compravam tinta em pó e estão passando para o consumo de uma tinta de maior qualidade.” Com mais dinheiro no bolso, a necessidade ou desejo de renovar a pintura da casa pulsa mais forte. “É uma reação movida pelo estético”, filosofa. Uma reação, explica, contra o natural desgaste causado na pintura pelas intempéries. “A perda da cor causa um aspecto desagradável e a nova pintura valoriza os imóveis”, argumentou. Quanto mais a renda aumenta, mais haveria essa reação de consumo.

    Na Suvinil, o projeto é duplicar a produção da fábrica de Jaboatão, elevando-a a 140 mil t/ano. Na Iquine – que além de fábrica em Jaboatão dos Guararapes, tem a de Serra-ES –, a expansão em curso em ambas as unidades, “para atender às demandas nos 18 estados das regiões Norte, Nordeste e Sudeste onde a marca está presente”, é de 120 mil t/ano. A empresa se apresenta como dona de 7,5% e 30%, respectivamente, do market share nacional e da região Norte/Nordeste.

    Alegando questão de posicionamento estratégico, a Akzo não revela qual o volume produzido em sua fábrica pernambucana e outras informações referentes a planos e projetos – e nem os dados referentes ao próprio mercado regional.

    Consumo – Mas qual seria, precisamente, o consumo de tintas imobiliárias nos nove estados do Nordeste, e como tem evoluído? Os três executivos alegam que a Associação Brasileira de Fabricantes de Tintas (Abrafati) não divulga estatísticas regionalizadas, alegação confirmada por Química e Derivados.

    Alan Souza, da Iquine, é o único a apresentar uma avaliação particular: as regiões Norte e Nordeste, em conjunto, representariam 25% da demanda nacional de 700 milhões de litros/ano. “Nos recentes cinco anos”, arrisca, “o mercado teria crescido nacionalmente a uma média anual de 3% a 5%, mas no Nordeste seguramente cresceu mais”. Souza justifica: depois de as necessidades de alimentação e os serviços mais elementares serem atendidos, a natural propensão das famílias é melhorar a casa, o ambiente onde vive.

    Abraão Costa, da Suvinil, ressalta que, em janeiro, a Abrafati projetou para todo o Brasil um crescimento de 4% para 2010; mas agora tende a revisar esta estimativa para 8% ou 9% – para o Nordeste, separadamente, para além dessa marca. Ele avalia que o mercado de tintas na região continua representando apenas 15% a 16% do mercado brasileiro – posição já histórica –, mas a tendência seria equiparar essa marca ao mesmo percentual da população, cerca de 30%. “O Norte segue o mesmo nível de crescimento do Nordeste”, admite.

    Enfatiza Abraão Costa que antes desta evolução as famílias das faixas de renda mais baixas muito raramente pintavam suas casas, situação que vem mudando nos recentes seis a oito anos, em paralelo à maciça migração de famílias da classe D para a C. “Muito mais gente passou a ter orçamento para tinta”, atesta. A casa dessas famílias deixou de ser apenas um dormitório e passou a ser, também, local de bem-estar e convívio. “Ao ascenderem socialmente, as famílias começam a aspirar pela valorização e manutenção da casa”, salientou.


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next