Química

22 de setembro de 2007

Atualidades – Ambiente – Visão multidisciplinar gera soluções adequadas

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Furtado
+(reset)-
Compartilhe esta página
    A

    experiência acumulada nos primeiros anos do ainda recente setor de serviços ambientais no Brasil foi determinante para que três jovens técnicos tivessem a idéia de fundar, em 2006, a Fator Ambiental. Ex-funcionários das empresas especializadas CSDGeoklock e Essencis, o engenheiro civil Marcos Redondo, o geólogo Frederico Draetta e o engenheiro químico Enrico Freire perceberam juntos, depois de atender a vários casos importantes de descontaminação, como o do Aterro Mantovani e o da Rhodia/Clorogil, que a demanda ambiental da indústria hoje se sofisticou e não se limita mais à simples compra de tecnologias para solucionar seus passivos.

    “A busca de solução para um passivo é uma equação complexa que envolve análise de risco, aspectos jurídicos e, somente após isso, a definição por uma tecnologia de remediação ou não, caso não seja necessário”, explicou Marcos Redondo. A afirmação do engenheiro, diretor-executivo da Fator, fundamenta a estratégia da empresa de se firmar como consultoria que agrega aos fornecimentos a prestação de serviços e a execução de projetos. E com o espectro ampliado para além da remediação de solos, especialidade dos sócios, visto que a Fator também atuará nas áreas de tratamento de efluentes, de controle de emissões atmosféricas e de auditoria e investigação.

    Química e Derivados, Marcos Redondo, Diretor-executivo da Fator, Atualidades - Ambiente - Visão multidisciplinar gera soluções adequadas

    Redondo: burocracia consome muito tempo nas remediações

    Com matriz em São Paulo e filial no Rio de Janeiro, a nova empresa, já com 15 clientes, tem a possibilidade de adotar qualquer tecnologia disponível para os projetos e, além disso, contará com o aporte tecnológico de universidades. Em hidrogeologia e modelagem de fluxo e transporte de contaminantes, a parceria é internacional, com a Universidade de Waterloo, do Canadá. Em estudos e modelagem na área de emissões atmosféricas, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) será a apoiadora, por meio da Fundação de Desenvolvimento e Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologias Ambientais (LPDTA/ FEQ). “Queremos aproveitar o know-how pouco aproveitado das universidades, hoje mais fácil de se acessar graças às fundações privadas”, comentou o gerente de auditoria e investigação da Fator, Frederico Draetta.

    Química e Derivados, Frederico Draetta, Gerente de auditoria e investigação da Fator, Atualidades - Ambiente - Visão multidisciplinar gera soluções adequadas

    Draetta busca know-how criado nas universidades brasileiras

    Outro apoio importante, na visão dos sócios, será o jurídico, por meio principalmente do escritório Rolim Advogados, especializado em questões ambientais. “A maior parte das remediações toma mais tempo com questões burocráticas e de negociação com órgãos públicos do que com o projeto em si”, ressalta Marcos Redondo. Para ele, é nesse aspecto que a Fator planeja se diferenciar de muitas empresas da área. “Queremos fazer todo esse trabalho para o cliente e não empurrar um projeto de remediação onde muitas vezes ele pode ser evitado por meio de um esforço de negociação”, completa Redondo.

    Esse aspecto do serviço ofertado vai se valer de uma ferramenta ambiental muito debatida na atualidade, mas pouco aplicada: a análise de risco. Será por meio dela que os técnicos vão avaliar a necessidade ou não de se iniciar um projeto. E por um motivo simples: várias vezes não se justifica despender volumes consideráveis de tempo e dinheiro para determinadas remediações. Nem sempre, por exemplo, é lúcido obrigar uma empresa a despoluir urgentemente um lençol freático ou um solo. Se aquela região não compromete o consumo humano de água ou o uso agrícola, ou se há a possibilidade de se conduzir um projeto de atenuação natural monitorada dos poluentes, de forma mais lenta e econômica, uma análise de risco bem feita chegará a essas conclusões. E com os dados obtidos ficará mais fácil convencer o Poder Público a ser mais parcimonioso com os fiscalizados.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next