Química

18 de novembro de 2007

Atualidades – Ambiente – Resíduos de azeitonas ajudam a tratar efluentes

Mais artigos por »
Publicado por: Anelise Sanchez, de Milão
+(reset)-
Compartilhe esta página
    T

    estes realizados na Espanha demonstram que o resíduo de azeitonas é eficaz na absorção de metais pesados, como o cromo. Com tal novidade, muito em breve, o mercado terá à disposição uma alternativa mais econômica em relação a outros processos de depuração.

    Germán Tenorio Rivas, membro do grupo de “Concentração de Sólidos e Biorremediação” do departamento de Engenharia Química da Universidade de Granada (Espanha), desenvolveu, recentemente, uma nova aplicação para os aparentemente inúteis caroços das azeitonas. Até então, por causa de seu alto teor de conteúdo orgânico e substâncias gordurosas, seu aproveitamento era uma dor de cabeça para os produtores. Todavia, graças aos seus estudos, o pesquisador descobriu que os caroços são excelentes instrumentos para a depuração de águas contaminadas por metais pesados como o cromo.

    Largamente empregado pelas indústrias têxtil, metalúrgica, de curtumes e na galvanoplastia, o cromo revela-se um perigoso poluente tóxico quando depositado de modo impróprio, por exemplo, em córregos e rios.

    A grande descoberta de Rivas é que o descarte do produto não aproveitado pelas indústrias de azeite é extremamente eficaz no processo físico-químico de bioabsorção.

    Bioabsorção – Como acontece com outros tipos de biomassa, como os resíduos agrícolas, neste caso, a bioabsorção retém os metais pesados das águas contaminadas pelos complexos industriais. “O maior benefício do trabalho desenvolvido na universidade de Granada é ter descoberto o potencial de um resíduo agrícola como o caroço das azeitonas”, comenta Rivas. Para ele, trata-se de algo limpo, barato e produzido localmente em larga escala.

    Rivas também explica que a capacidade de absorver um metal pesado como o cromo reside em uma diferença de carga elétrica e em uma atração iônica. “O caroço de azeitona possue carga negativa, enquanto o metal, carga positiva; por isso, ambos os materiais atraem-se”, observa.

    “A maior diferença no uso dos caroços de azeitona durante o processo de bioabsorção é que eles não geram subprodutos, como as lamas com alta concentração de metais, que são muito difíceis de administrar”, pondera o pesquisador espanhol.

    Rivas ainda faz questão de destacar o fato de que os resultados do processo não se limitam a água limpa e ao caroço da azeitona com o metal retido. Por ser um resíduo agrícola, os caroços também podem representar uma válida contribuição econômica, por meio de sua utilização como biomassa e a sucessiva obtenção de energia.

    O potencial das biomassas e as oportunidades das fileiras bioenergéticas são assuntos que estão sob os refletores das instituições do Velho Continente. Em um de seus recentes documentos, o parlamento europeu exaltou as vantagens da bioenergia quando comparada às fontes energéticas convencionais, como os custos inferiores, maior capacidade de programação e outras fontes alternativas de rendimento para o setor agrícola.

    Atualmente, segundo as informações contidas no “Biomass Action Plan”, documento elaborado em 2005 sobre a programação energética européia, 4% do consumo energético da União Européia são cobertos por biomassas, mas sobre a utilização de todo o potencial desse novo recurso estima-se que, em 2010, esse índice poderia superar os 8%.

    Produção de azeite – Calcula-se que a superficíe de cultivo dedicada às oliveiras supere cinco milhões de hectares, situados sobretudo na Espanha (48%) e na Itália (22,5%). Anualmente, os países-membros produzem cerca de dois milhões de toneladas de azeite e uma das conseqüências diretas de sua extração, em geral realizada por processos de trituração e espremedura ou centrifugação, é o aumento exponencial da quantidade de resíduos agrícolas gerados durante as diversas fases de produção.

    O azeite é uma das commodities que sustentam a economia de alguns países do Velho Continente. Graças às suas propriedades nutricionais, há séculos o produto se transformou em elemento indispensável para a culinária mediterrânea. Conforme os dados divulgados pela “Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural”, a União Européia responde por 80% da produção mundial de azeite e por 70% do seu consumo.



    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next