Química

30 de janeiro de 2013

Água Ultrapura – Equipamentos analíticos mais sensíveis geram demanda por água de melhor qualidade

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Furtado
+(reset)-
Compartilhe esta página
    Química e Derivados - Água Ultrapura

    Especificação de água para laboratório

    O certo, nesses e em outros casos que envolvam o trabalho laboratorial, é seguir as normas e os padrões estabelecidos pelos laboratórios modernos. A Elga, por exemplo, como padrão interno, define quatro tipos de água: a grau primário, a deionizada, a grau uso geral para laboratório e a água ultrapura. A de grau primário tem o maior índice de impurezas, com condutividade elétrica entre 1 e 50 µS/cm, podendo ser produzida com um único deionizador de resina de troca iônica, fracamente básica, ou por uma osmose reversa. Esta seria indicada para enxágue de vidraria de uso comum, água de alimentação em lavadora e elaboração de diluições para reagente de uso geral.

    A água deionizada tem condutividade da ordem de 1 a 0,1 µS/cm (resistividade de 1 a 10 MΩ-cm) e precisa ser gerada por leito misto de deionização com resinas fortemente básicas. Seu uso se direciona, por exemplo, para o preparo de padrões analíticos e reagentes, diluições de amostras, alimentação de analisadores bioquímicos e no preparo de soluções farmacêuticas.

    A água grau laboratório tem alta pureza em termos iônicos, baixos níveis de compostos orgânicos e de microrganismos. A condutividade típica é = 1 µS/cm, carbono orgânico total (TOC) menor que 50 ppb e contagem de bactérias inferior = 1 CFU/ml. Essa água pode ser empregada em diluições de reagentes e de tampões, preparação de meio nutriente para cultivo de células e para estudos de microbiologia. Ela pode ser gerada por bidestilação ou por sistemas complexos de várias tecnologias (osmose, EDI, deionização, UV).

    Já a água ultrapura é a que mais chega perto dos níveis teóricos de pureza em conteúdo orgânico, partículas, bactérias e resistividade. É ela a top do mercado, que pode ser mais ou menos preparada, empregada em instrumental analítico avançado e aplicações específicas. A ultrapura apirogênea seria o suprassumo, aplicada em fertilização in-vitro, bioquímica molecular e cultura de tecidos, por exemplo. Não seria necessária água tipo 1+ para farmácias de manipulação, por exemplo, o que poderia ser um desperdício. Mas controlar a água utilizada em laboratórios e fábricas é uma necessidade no Brasil.


    Página 3 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *