Química

30 de janeiro de 2013

Água Ultrapura – Equipamentos analíticos mais sensíveis geram demanda por água de melhor qualidade

Mais artigos por »
Publicado por: Marcelo Furtado
+(reset)-
Compartilhe esta página
    Química e Derivados - Água Ultrapura

    Água Ultrapura – Equipamentos Analíticos geram demanda por qualidade

    C

    om a alta especialização dos laboratórios, sejam aqueles dedicados a necessidades industriais ou os estritamente científicos, a demanda por água ultrapura para medições da química quantitativa atingiu um nível de exigência tecnológica que fez o mercado se tornar bastante exclusivo. A começar pela sofisticação do instrumental analítico hoje comum em boa parte dos laboratórios, com cromatógrafos e espectrômetros de extrema sensibilidade, e também por conta das demandas crescentes das chamadas ciências da vida, usuárias de técnicas de biologia molecular, a nova realidade fez com que os sistemas de preparo da água ultrapura acompanhassem o ritmo de evolução tecnológica e sua oferta ficasse cada vez mais nas mãos de grandes grupos internacionais.

    Química e Derivados, Humberto Bufalo, Veolia Water, demandas dos laboratórios

    Bufalo: instrumental analítico exige água isenta de contaminantes

    “Não se preocupar com a qualidade da água ultrapura em um laboratório moderno é como abastecer com gasolina adulterada uma Ferrari”, explicou Humberto Bufalo, o gerente de desenvolvimento de negócios da francesa Veolia Water, proprietária da Elga Labwater, tradicional fornecedora de sistemas completos para água de laboratório. Na sua opinião, as preocupações não se restringem às amostras necessárias para as análises nos equipamentos de alta sensibilidade, mas também abrangem as demandas mais “comezinhas” dos laboratórios, como as lavagens de materiais e vidrarias. As máquinas de lavagem, com uma água de qualidade, além de lavarem melhor com menor risco de contaminações, também ficarão conservadas por mais tempo.

    De forma geral, os sistemas de produção da chamada labwater precisam combater cinco contaminantes principais: partículas em suspensão, sais inorgânicos, compostos orgânicos dissolvidos, microrganismos (inclusive pirogêneos) e gases dissolvidos. As diferenças nas demandas de ultrapureza vão ser resolvidas com combinações de tecnologias para preparar a água de acordo com o grau de exigência da aplicação. Logicamente que a água de lavagem não precisará ter a mesma pureza daquela utilizada em um espectrômetro de massa, por exemplo.

    Como forma de qualificação da água, o mercado utiliza usualmente normas ISO, ASTM ou NCCLS (National Committee for Clinical Laboratory Standards), enquadrando-a em graus 1, 2 e 3, ou tipos 1, 2, 3 e 4. Pela bastante usada norma ISO 3696, a água grau 1 seria a de mais alta pureza, livre de coloides iônicos ou dissolvidos e de contaminantes orgânicos, apropriada para as técnicas analíticas mais sensíveis, incluindo aí cromatografia líquida, espectrometria de emissão por plasma (ICP-MS), cromatógrafo iônico, biologia molecular e eletroquímica. Para se conseguir esse padrão ultrapuro, com condutividade máxima de 0,1 µS/cm a 25ºC e conteúdo máximo de sílica de 0,01 mg/l, uma das “rotas”, partindo de uma água de grau 2, é usar mais de um passo de membranas de osmose reversa ou de deionização por troca iônica ou eletrodiálise (EDI), seguida de uma filtração em membranas de 0,2 µm para remover particulados ou sílica do equipamento de destilação.

    Química e Derivados - Água Ultrapura

    Fluxo no processo de Purelab

    A água de grau 2, também pela ISO, conta com níveis reduzidos de contaminantes orgânicos, inorgânicos e coloides, tornando-se indicada para métodos analíticos como a espectrofotometria de absorção atômica e a análise de traços. Uma múltipla destilação, a deionização ou a osmose reversa e a destilação podem produzir esse tipo de água de laboratório. A condutividade máxima para o tipo 2 é de 1 µs/cm a 25ºC e sílica de 0,02 mg/l. Já a grau 3 tem uso em grande parte das aplicações laboratoriais na química úmida e no preparo de reagentes e soluções. Sua produção pode ser por destilação simples, osmose reversa ou deionização por troca iônica.

    Química e Derivados, Água Ultrapura

    Sistema de polimento da Veolia produz água tipo

    Tipo 1+ – Mais recentemente, o desenvolvimento dos equipamentos analíticos gerou uma nova qualificação de água nos laboratórios: a tipo 1+, que estaria à frente ainda das exigências da água grau 1. Sua necessidade veio principalmente de especificações de alta sensibilidade de espectrômetros de massas com plasma indutivamente acoplado (ICP-MS), de técnicas de biologia molecular (DNAse e RNAse) e de análises de ultratraços. “São análises para níveis baixíssimos de detecção, em partes por bilhão (ppb) e partes por trilhão (ppt), com detectores de massa de alta sensibilidade. A água precisa ser praticamente isenta de contaminantes”, explicou o gerente Humberto Bufalo.

    A Elga/Veolia lançou um sistema específico para atender à demanda da água tipo 1+. Trata-se do PureLAB Ultra, um módulo de ultrapurificação projetado para receber água grau 2 e 3; e assim produzir outra considerada “top” para necessidades laboratoriais, com pureza medida pela manutenção da resistividade elétrica em 18.2 MΩ-cm (megaohm/cm) a 25ºC. O equipamento funciona como um polimento com configurações variáveis entre três tecnologias: cartuchos duplos de deionização, lâmpada UV e uma membrana de ultrafiltração.

    Química e Derivados - Água Ultrapura

    Especificação de água para laboratório

    A água pré-tratada entra na primeira bateria de cartuchos duplos de deionizadores por meio de uma válvula solenoide, passando logo após por sensor de qualidade para daí seguir para uma lâmpada UV, que emite radiação UV intensa com comprimentos de onda de 254 nm e 185 nm para controle contínuo das bactérias e a foto-oxidação de impurezas orgânicas.

    Apesar de a primeira bateria remover a maior parte dos contaminantes, quaisquer impurezas iônicas e orgânicas restantes são removidas pelo segundo cartucho de purificação. Depois, o ultrafiltro remove pirogêneos e impurezas microbiais, bem como partículas. A resistividade e a temperatura da água final são medidas antes da sua distribuição. Para manter a sua pureza, a água dentro da unidade é recirculada e, para evitar o acúmulo de calor, a recirculação se encontra sob uma taxa de fluxo reduzida e pode ser ajustada para intermitente (10 minutos por hora). De forma semelhante, a recirculação intermitente pode ser utilizada durante a noite no modo “sleep”.

    Química e Derivados, Cledson Lino Burlin, Merck Millipore, maior rigor para a água ultrapura

    Burlin: a indústria cosmética também melhora padrão da água

    Mais demandas – A Merck Millipore, outra competidora importante da área de água ultrapura para laboratório, também identifica os mesmos movimentos do mercado: alta especialização de instrumental analítico e ciências da vida puxam a demanda por condicionamento mais sofisticado de água. De acordo com Cledson Lino Burlin, gerente de labwater da empresa, também colaboram com o mercado os desenvolvimentos de novos fármacos, o maior rigor para água ultrapura em cosméticos e os mercados de análises clínicas e até de polícia científica.

    Empresa responsável pela criação da chamada água Milli-Q, que virou sinônimo de água purificada de laboratório, a Merck Millipore, na opinião de Burlin, tem percebido demanda alta nesses “novos” segmentos para o Brasil. Segundo ele, para começar, a indústria cosmética, por cada vez mais fabricar produtos com função terapêutica e em virtude de exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), tem se preocupado em trabalhar com água de melhor qualidade. “As empresas grandes da área sem dúvida estão preocupadas em ter sistemas de água ultrapura mais modernos, tanto nos laboratórios como na produção. Ao contrário das pequenas, infelizmente”, disse.

    O segmento de análises clínicas também é outro com preocupação crescente em contar com bons sistemas de água ultrapura. Exames de sangue, explica o gerente, não podem sofrer alteração com água de diluição, sob o risco de apontar resultados falsos. “Se houver cálcio na água, por exemplo, a alta sensibilidade dos exames pode confundir a amostra e apontar a existência de cálculo renal”, explicou Burlin.

    Segundo ele, os parâmetros em várias aplicações agora chegam a ultratraços, em contaminantes com níveis de partes por bilhão (ppb) e partes por trilhão (ppt). “As exigências normativas e o grau de sensibilidade do instrumental analítico estão favorecendo a introdução de equipamentos de água ultrapura de alto desempenho”, afirmou. No caso da empresa, o destaque fica por conta do sistema Milli-Q Integral, que pode produzir em configurações diferentes água pura (tipo 2) ou ultrapura (tipo 1).


    Página 1 de 3123

    Compartilhe esta página







      0 Comentários


      Seja o primeiro a comentar!


      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


      ""
      1
      Newsletter

      Receba artigos, notícias e novidades do mercado gratuitamente em seu email.

      Nomeseu nome
      Áreas de Interesseselecione uma ou mais áreas de interesse
      Home - Próximo Destino Orlando
      ­
       Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros
      Previous
      Next